Polícias sem vacinas fiscalizam Páscoa. Morreram 3 nos últimos 15 dias

“Quantos mais polícias têm de ficar doentes e/ou morrer para o Governo decidir vacinar todos os profissionais das forças de segurança e cumprir com o Plano de Vacinação aprovado?”, questiona o Sindicato Nacional da Polícia (Sinapol).

Polícias sem vacinas fiscalizam Páscoa. Morreram 3 nos últimos 15 dias

Polícias sem vacinas fiscalizam Páscoa. Morreram 3 nos últimos 15 dias

“Quantos mais polícias têm de ficar doentes e/ou morrer para o Governo decidir vacinar todos os profissionais das forças de segurança e cumprir com o Plano de Vacinação aprovado?”, questiona o Sindicato Nacional da Polícia (Sinapol).

“Quantos mais polícias têm de ficar doentes e/ou morrer para o Governo decidir vacinar todos os profissionais das forças de segurança e cumprir com o Plano de Vacinação aprovado?”, questiona o Sindicato Nacional da Polícia (Sinapol).

O comunicado revela que cerca de metade dos 44 mil elementos da PSP e da GNR que vão fiscalizar as estradas, entre 26 de março e 5 de abril, altura da Páscoa, estão por vacinar.

O sindicato frisa ainda que, só nos últimos 15 dias, três polícias morreram vítimas da covid-19. Segundo o Plano Nacional de Vacinação contra a covid-19,  todos os elementos das forças de segurança estariam vacinados até 30 de janeiro deste ano. O Sinapol exige a vacinação imediata dos restantes membros das forças de segurança.

Os atrasos na vacinação deram-se devido à escassez de vacinas. Em fevereiro, os agentes da PSP e militares da GNR perderam o estatuto de prioritários.

O comunicado afirma ainda que “cerca de 50% dos profissionais da PSP e GNR estarão a trabalhar sem ainda estarem vacinados” numa altura em que, “por determinação do Governo, assistiu-se à vacinação em massa de mais de 62 mil pessoas, maioritariamente professores”.

 

 

LEIA MAIS

Covid-19: Polícias sentem-se «exaustos» com tantas fiscalizações
Covid-19: Polícias sentem-se «exaustos» com tantas fiscalizações. A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia alertou para a situação dos polícias que fiscalizam as regras do estado de emergência, que se sentem “exaustos” e “maltratados”. Continue a ler aqui

Impala Instagram


RELACIONADOS