Polacos manifestam-se em várias cidades contra lei do aborto

Os polacos manifestaram-se hoje em Varsóvia e em muitas outras cidades da Polónia contra as novas restrições da lei do aborto, que dizem ter levado à morte de uma jovem grávida, com problemas de saúde.

Polacos manifestam-se em várias cidades contra lei do aborto

Polacos manifestam-se em várias cidades contra lei do aborto

Os polacos manifestaram-se hoje em Varsóvia e em muitas outras cidades da Polónia contra as novas restrições da lei do aborto, que dizem ter levado à morte de uma jovem grávida, com problemas de saúde.

Os manifestantes fizeram retratos da mulher, Iza, de 30 anos, que morreu no hospital em Pszczyna, no sul da Polónia, devido a um choque sético.

A jovem morreu em setembro, mas a sua morte só se tornou conhecida na última semana. Os médicos do hospital adiaram a interrupção da gravidez, de 22 semanas, apesar de o feto não ter líquido amniótico suficiente para sobreviver, dizem a família e o seu advogado.

Os médicos foram suspensos de funções e a justiça está a investigar o caso.

Os ativistas dos direitos das mulheres consideram que Iza foi uma vítima da lei polaca sobre o aborto, que recentemente se tornou mais restritiva.

Além disso, dizem que, agora, os médicos na Polónia, uma nação fortemente católica, ficam à espera que um feto com defeitos graves morra no útero em vez de realizarem um aborto.

Donald Tusk, o antigo líder da União Europeia, que é agora líder da oposição polaca, participou no protesto em Varsóvia, sob o lema “Nem mais uma” mulher a morrer.

Os manifestantes reuniram-se em frente ao Tribunal Constitucional, que, no ano passado, decidiu acabar com a interrupção de uma gravidez por defeitos congénitos do feto, por considerar que esta é contra a Constituição polaca.

A manifestação seguiu depois até ao Ministério da Saúde.

Antes da nova restrição, as mulheres na Polónia só podiam fazer abortos em três situações: se a gravidez resultasse de um crime, como a violação, se a vida da mulher estivesse em risco, ou no caso de defeitos irreparáveis do feto. Esta última possibilidade acabou depois do veredicto do tribunal.

Aqueles que são a favor da nova restrição dizem não ser claro que esta tenha levado à morte da jovem mulher.

ATR // HB

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS