Petição apela ao fim dos problemas na urgência pediátrica de Torres Vedras

Uma petição com 2.753 subscritores está a circular na Internet com o objetivo de apelar à ministra da Saúde para resolver os problemas da falta de pediatras na urgência pediátrica de Torres Vedras do Centro Hospitalar do Oeste.

Petição apela ao fim dos problemas na urgência pediátrica de Torres Vedras

Petição apela ao fim dos problemas na urgência pediátrica de Torres Vedras

Uma petição com 2.753 subscritores está a circular na Internet com o objetivo de apelar à ministra da Saúde para resolver os problemas da falta de pediatras na urgência pediátrica de Torres Vedras do Centro Hospitalar do Oeste.

O documento pretende “alertar a ministra para a situação complicada da população, que necessita e recorre a este hospital, e para a urgente resolução dos problemas” nas urgências de Pediatria.

Face aos constrangimentos existentes com a falta de pediatras, os doentes poderão ser transferidos para o hospital de Caldas da Rainha, no distrito de Leiria, pertencente ao mesmo centro hospitalar, com o “evidente desconforto das crianças doentes e dos pais”, que têm de se “deslocar dezenas de quilómetros”, sendo que “nem todos estão em condições de suportar as despesas daí decorrentes”, alerta a petição, disponível no site Petição Pública.

Os peticionários recordam ainda que a unidade de Torres Vedras do CHO já em 2013 “perdeu a maternidade, uma outra valência fundamental que ainda hoje a população desta região espera que seja reposta”.

No domingo à noite, mais de duas centenas de pessoas, com cartazes e velas acesas, concentraram-se em vigília frente ao hospital de Torres Vedras numa manifestação em defesa da manutenção da urgência pediátrica.

No sábado, em entrevista à TSF e ao Diário de Notícias, questionada se o reencaminhamento de doentes para as Caldas da Rainha é para resolver ou é definitivo, a ministra da Saúde disse que o assunto está a ser “trabalhado entre a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e a administração do CHO”, admitindo que “a resposta estará sempre dependente do número de pediatras”.

“A afluência que regista a unidade de Torres Vedras leva-nos a refletir sobre a solução mais definitiva”, acrescentou.

O presidente da câmara de Torres Vedras, Carlos Bernardes (PS), adiantou que na quarta-feira terá uma reunião no Ministério da Saúde para encontrar uma solução definitiva no sentido de que os médicos passem a ser do quadro e não sejam contratados em regime de prestação de serviços, através de empresas externas.

A urgência pediátrica de Torres Vedras do CHO esteve desde as 21:00 de quinta-feira e até às 09:00 de sábado a funcionar sem pediatras na escala, sendo que os doentes que necessitaram desta especialidade foram transferidos para as Caldas da Rainha, distrito de Leiria.

Cada escala é preenchida por dois médicos de clínica geral e um pediatra.

Na sexta-feira, a administradora já tinha admitido a existência de constrangimentos no dia 31 de dezembro, que deverão voltar a repetir-se esta semana.

O Centro Hospitalar do Oeste integra os hospitais de Torres Vedras, Caldas da Rainha e Peniche e serve cerca de 300 mil habitantes daqueles três concelhos, assim como de Óbidos, Bombarral, Cadaval e Lourinhã e parte dos concelhos de Alcobaça (freguesias de Alfeizerão, Benedita e São Martinho do Porto) e de Mafra (com exceção das freguesias de Malveira, Milharado, Santo Estêvão das Galés e Venda do Pinheiro).

FCC // MCL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS