Doenças mentais já ocupam 22,5% do total das patologias

O peso das doenças mentais é de 22,5% no total das patologias, relativamente aos anos vividos com incapacidade, adianta a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) num documento divulgado hoje em que faz um retrato da saúde dos portugueses.

Doenças mentais já ocupam 22,5% do total das patologias

Doenças mentais já ocupam 22,5% do total das patologias

O peso das doenças mentais é de 22,5% no total das patologias, relativamente aos anos vividos com incapacidade, adianta a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) num documento divulgado hoje em que faz um retrato da saúde dos portugueses.

Peso das doenças mentais é de 22,5% no total das patologias. Lançado no dia em que se assinalam os 42 anos do SNS e o Dia do Serviço Nacional de Saúde, o documento “Desenvolvimento sustentável e sustentabilidade dos cuidados de saúde primários” divulga vários dados sobre a saúde dos portugueses e alerta para a importância da saúde psicológica na sociedade atual.

A este propósito, cita o Estudo Epidemiológico sobre a Saúde Psicológica dos portugueses, segundo o qual os problemas de saúde psicológica afetam um em cada cinco portugueses (23%).

Crise atual e dificuldades aumentam problemas da saúde mental

A OPP adverte que, à semelhança do que aconteceu em crises socioeconómicas anteriores, espera-se que a crise atual tenha também como consequência um aumento das dificuldades e problemas de saúde psicológica e uma diminuição do bem-estar.

“Na realidade, vários estudos reportam um aumento dos problemas de saúde psicológica (nomeadamente de ansiedade e depressão) entre os jovens e os adultos (sobretudo aqueles que ficaram desempregados, os pais e mães que tiveram de conciliar o cuidado de menores com a vida profissional, os profissionais de saúde, e pessoas com vulnerabilidades psicológicas prévias)”, sublinha o documento.

Por outro lado, aponta, “se o Perfil da Saúde do país identificava que mais de um terço de todas as mortes podiam ser atribuídas a riscos comportamentais (por exemplo, hábitos alimentares, tabagismo, consumo problemático de álcool, obesidade, sedentarismo ou acidentes), a pandemia veio agravar a situação”.

Segundo dados divulgados no documento, quatro em cada dez portugueses mudaram os seus hábitos alimentares para pior, a percentagem de população com um nível baixo de atividade física quase duplicou e as dificuldades de conciliação da vida profissional e pessoal e os desafios do teletrabalho agravaram alguns dos fatores de risco psicossocial no trabalho.

Para a Ordem, estes dados sublinham “o imperativo de promover a saúde e prevenir a doença para responder ativamente à evolução das necessidades de saúde (física e psicológica) dos portugueses, bem como para garantir a sustentabilidade dos sistemas de saúde e de proteção social.

Mas, apesar destes dados sublinharem o imperativo de promover a saúde e prevenir a doença, afirma, o Plano de Recuperação e Resiliência (PPR) sublinha o fraco investimento na prevenção e no diagnóstico precoce, assim como a fragmentação dos cuidados de saúde prestados, com elevada predominância de intervenções episódicas, descontinuadas, reativas e centradas meramente no tratamento da doença.

Há “apenas 250” psicólogos nos centros de saúde

Para a Ordem, não é possível cumprir os objetivos de desenvolvimento Sustentável, definidos pelas Nações Unidas, nomeadamente os que referem à Saúde e ao bem-estar, sem garantir a acessibilidade a cuidados de saúde para todos, independentemente das suas condições socioeconómicas, culturais, geográficas ou outras.

Alerta ainda para a importância dos psicólogos nos centros de saúde, lamentando que atualmente existam “apenas 250”, o que representa um rácio de 2,5 psicólogos para cada 100.000 utentes, sendo que o rácio recomendado seria de 1 por cada 5.000 utentes

Contudo, saliente a OPP, “existem cerca de 24 mi psicólogos em Portugal, sendo que cerca de 5.000 possuem a especialidade em psicologia clínica e da saúde e entre eles 1.345 possuem uma especialidade avançada em psicoterapia”.

No final, o documento faz “recomendações de ações prioritárias”, como a criação de “núcleos de Psicologia onde ainda não existam”, investimento na promoção da saúde e na prevenção da doença, desenvolvimento de ações de monitorização de indicadores de Saúde Psicológica e Bem-Estar e adequar as contratualizações financeiras nos Centros de Saúde.

 

VEJA AGORA
Alemanha indemniza homossexuais perseguidos ou condenados até 1969
Alemanha indemniza homossexuais perseguidos ou condenados até 1969
As autoridades alemãs indemnizaram quase 250 pessoas que foram perseguidas ou investigadas pelas leis adotadas pelo regime nazi sobre homossexualidade e que se mantiveram em vigor após o final da II Guerra Mundial (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS