PAN e PEV apelam que “atos correspondam às palavras” no combate à crise climática

O PAN e o Partido Ecologista ‘Os Verdes’ apelaram hoje a que os “atos correspondam às palavras” no que toca ao combate à crise climática, considerando necessário “um compromisso político efetivo e ações políticas eficientes”.

PAN e PEV apelam que

PAN e PEV apelam que “atos correspondam às palavras” no combate à crise climática

O PAN e o Partido Ecologista ‘Os Verdes’ apelaram hoje a que os “atos correspondam às palavras” no que toca ao combate à crise climática, considerando necessário “um compromisso político efetivo e ações políticas eficientes”.

Numa declaração política no parlamento, a porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, declarou que não se pode continuar a “ignorar o elefante na sala” que é a crise climática e as alterações dela decorrentes.

Voltando a lamentar que o primeiro-ministro, António Costa, não esteja presente na 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26), que decorre em Glasgow, Inês Sousa Real apontou que “nos próximos meses” o país vai estar envolvido numa crise política e orçamental “sem com isso fazer um debate estrutural sobre este tema”.

“O combate às alterações climáticas e a descarbonização não podem continuar a ser meros chavões nos discursos políticos, sobretudo num país onde não há coragem para enfrentar os interesses daqueles que continuam a enriquecer à custa da destruição da nossa qualidade de vida e dos ‘habitats’ do planeta”, vincou.

Também Mariana Silva, do PEV, disse olhar para a COP26 “com desconfiança” e considerou que fazendo um balanço das cimeiras, conclui-se que “a vida tem dado razão aos ativistas que se mobilizam, nas ruas, para gritar bem alto que não acreditam nos debates e conclusões que se assumem nos debates oficiais”.

“Como ainda na semana passada aqui afirmámos, pode-se encher a boca de alterações climáticas, e é provável que o Governo se apresente em Glasgow como no ano passado, afirmando o país como um exemplo nesta matéria, mas é preciso que os atos correspondam às palavras”, defendeu.

Para o PEV, “Portugal precisa de desenvolver fontes de energia renováveis e sustentáveis, assim como apostar na eficiência energética, e, sobretudo, precisa de criar um sistema de transportes coletivos que responda às necessidades das populações, em todo o território, e de continuar o caminho do incentivo à mobilidade suave e ativa”.

Na fase de debate, entre ambas as intervenções, o deputado do PS João Nicolau afirmou que o partido “tem defendido, mas acima de tudo tem agido, na política climática, na transição energética, garantindo acima de tudo que é uma transição justa” e apontou para o trabalho já feito pelo parlamento na Lei de Bases do Clima que “não pode ser em vão”.

Pelo PSD, o deputado Hugo Carvalho alertou que “não há novo normal, o normal acabou” e apontou o dedo aos partidos mais à esquerda do hemiciclo por terem viabilizado nos últimos seis anos orçamentos de um Governo que, considerou, “deixou muito que fazer” em matéria ambiental.

“A esquerda tenta sempre fazer deste debate um debate entre escolher o fim do capitalismo ou o fim do mundo (…) As alterações climáticas afetam tanto um social-democrata, como um comunista, um bloquista ou um socialista. Portanto não adianta estarem sempre com ideologia” rematou.

O deputado Nuno Peralta (BE) defendeu a necessidade de políticas públicas em matéria de transportes e mobilidade e não de respostas individuais e de mercado. Já a deputada Alma Rivera, do PCP, considerou que “há uma contradição entre as palavras e a ação deste Governo nas políticas ambientais”.

Mais de 120 líderes políticos e milhares de especialistas, ativistas e decisores públicos reúnem-se até 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia, na 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) para atualizar os contributos dos países para a redução das emissões de gases com efeito de estufa até 2030.

ARYL // SF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS