Orquestra Metropolitana toca na Semana de Música Religiosa de Cuenca, em Espanha

A Orquestra Metropolitana de Lisboa (OML) participa este ano, pela primeira vez, na programação musical da 58.ª Semana de Música Religiosa de Cuenca, em Espanha, foi hoje divulgado.

Orquestra Metropolitana toca na Semana de Música Religiosa de Cuenca, em Espanha

Orquestra Metropolitana toca na Semana de Música Religiosa de Cuenca, em Espanha

A Orquestra Metropolitana de Lisboa (OML) participa este ano, pela primeira vez, na programação musical da 58.ª Semana de Música Religiosa de Cuenca, em Espanha, foi hoje divulgado.

A OML, sob a direção do seu maestro titular, Pedro Amaral, o Coro da Rádio Televisão Espanhola (RTVE) e os solistas Miren Urbieta-Vega (soprano), Lorena Valero (meio-soprano), Fabián Lara (tenor) e André Henriques (baixo) vão apresentar, em Cuenca, a “Missa Solemnis”, de Ludwig van Beethoven (1770-1827).

O programa é previamente apresentado no próximo dia 14, em Lisboa, no Museu do Dinheiro, antiga Igreja de S. Julião, e, no dia 17, no Teatro-auditório de Cuenca, na região autónoma de Castela-La Mancha, em Espanha.

Beethoven propôs-se compor a “Missa Solemnis” quando, em 1818, o arquiduque Rudolfo de Habsburgo-Lorena, seu patrono e amigo, soube que iria receber o título de cardeal e tornar-se arcebispo da Morávia.

A “Missa Solemnis” estava prevista para a cerimónia de entrada do arcebispo na diocese, todavia só ficou terminada cinco anos mais tarde, tal “o cuidado e a obstinação com que o compositor encarou o projeto”, salienta a OML, em comunicado.

Beethoven “estudou as técnicas de escrita da música sacra setecentista, em particular de J. S. Bach, familiarizou-se com uma maneira de abordar o missal liberta da contaminação da ópera italiana que o rodeava, e devolveu ao mundo uma obra em nome pessoal, depurada e imponente”, afirma a OML, que recorda que, na mesma época, o compositor escrevia a Sinfonia N.º 9, “Coral”.

O mestre alemão “teve uma educação católica e nunca abandonou uma profunda consciência espiritual, que, por sinal, se acentuou no final da vida”.

No topo da partitura Beethoven escreveu: “Vindo do coração — que possa regressar ao coração”.

Em 1804, o compositor começou por ser professor de piano deste príncipe da Áustria e da Hungria e, mais tarde, tornou-se seu amigo, tendo-lhe dedicado 14 composições, entre as quais esta “Missa Solemnis”.

A atuação da OML em Espanha insere-se no protocolo existente entre a Associação de Música, Educação e Cultura (AMEC), que tutela a orquestra portuguesa, e o Coro e a Orquestra da Rádio Televisão Espanhola, renovado em junho do ano passado.

Entre os objetivos deste protocolo, estão “intercâmbios diversos” e a aposta na “progressiva, consistente e continuada internacionalização” da Metropolitana, como disse na ocasião à agência Lusa o maestro Pedro Amaral, diretor artístico da Metropolitana.

NL // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS