Onze mil pessoas passaram pelo Centro Interpretativo que mostra o Vale doTua

O Centro Interpretativo que mostra o Vale do Tua recebeu em dois anos perto de onze mil visitantes, que passaram a encontrar ali também uma porta de entrada para esta zona de Trás-os-Montes, divulgaram hoje os responsáveis.

Onze mil pessoas passaram pelo Centro Interpretativo que mostra o Vale doTua

Onze mil pessoas passaram pelo Centro Interpretativo que mostra o Vale doTua

O Centro Interpretativo que mostra o Vale do Tua recebeu em dois anos perto de onze mil visitantes, que passaram a encontrar ali também uma porta de entrada para esta zona de Trás-os-Montes, divulgaram hoje os responsáveis.

Localizado na aldeia do concelho de Carrazeda de Ansiães com o nome do rio, o Centro Interpretativo do Vale do Tua está localizado na estação onde para o comboio que liga Porto/Pocinho e perto da barragem que impulsionou este e outros projetos coordenados pelo Parque Natural Regional, também contrapartida do empreendimento hidroelétrico.

Em seis anos de existência, o Parque “alavancou 1,5 milhões de euros de investimento, meio milhão para portas de entrada, 200 mil para o projeto de combate a pragas agrícolas com morcegos, 600 mil para empreendedorismo, 200 mil para o programa de observação de aves (birdwatching) e 330 para astroturismo”.

Os dados são do diretor Artur Cascarejo, que garantiu à Lusa que “em seis anos, o parque conseguiu cumprir o que estava no projeto base para doze”.

“Quando o projeto base do parque foi aprovado e apresentado ao Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) não acreditavam que conseguíamos cumprir aquele projeto em doze anos, nós conseguimos fazê-lo em seis, em metade do tempo e já estamos a desenvolver projetos que não estavam sequer previstos inicialmente”, afiançou.

O diretor salienta que o objetivo “é aumentar o número de empresas e de emprego no território através do Turismo, Ambiente, de tudo aquilo que mexe em termos dos produtos regionais de cada um dos cinco concelhos”.

O parque abrange os concelhos de Carrazeda de Ansiães, Mirandela, Alijó, Murça e Vila Flor, todos da área de influência da barragem de Foz Tua que garante um financiamento anual correspondente a três por cento da faturação da produção de energia.

Com recurso complementar a outros programas nacionais e europeus, o parque tem desenvolvido os vários projetos como as portas de entrada que está a criar em cada um dos cinco concelhos, duas das quais já foram inauguradas em Murça e Carrazeda de Ansiães.

Os dez percursos pedestres existentes, dois em cada concelho, têm sido um dos principais atrativos do Vale do Tua e para breve está anunciado mais um que proporcionará um passeio a partir da estação de Foz Tua com passagem junto da barragem e pela aldeia.

“Estamos a fazer o nosso trabalho de alavancar o território para trazermos cada vez mais turistas, agora isto não se faz do dia para a noite”, afirmou o diretor.

O responsável anunciou ainda que está em curso uma candidatura para transformar o Parque “num centro de recursos a nível do empreendedorismo para ajudar também a promover o tecido económico da região”.

HFI // MSP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS