Museu de Arte Antiga encerra salas a partir de terça por falta de vigilantes

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, vai, a partir de terça-feira, voltar a encerrar várias salas da exposição permanente por falta de vigilantes, numa situação que se poderá arrastar até setembro, anunciou hoje a instituição.

Museu de Arte Antiga encerra salas a partir de terça por falta de vigilantes

Museu de Arte Antiga encerra salas a partir de terça por falta de vigilantes

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, vai, a partir de terça-feira, voltar a encerrar várias salas da exposição permanente por falta de vigilantes, numa situação que se poderá arrastar até setembro, anunciou hoje a instituição.

“Devido às limitações de pessoal técnico na área da vigilância informa-se que, a partir de 01 de junho, o Museu Nacional de Arte Antiga é obrigado a proceder ao encerramento de algumas áreas da sua exposição permanente, nomeadamente as coleções de mobiliário, ourivesaria, cerâmica e artes não europeias”, revelou hoje o MNAA.

Assim, o MNAA vai também fechar o acesso e a bilheteira da entrada do Jardim 9 de abril, “funcionando como único acesso ao museu a entrada da rua das Janelas Verdes”.

“Estas limitações prolongar-se-ão até que a situação de falta de pessoal na vigilância se altere, podendo manter-se até ao fim de setembro”, realçou o museu.

Já no ano passado, em agosto, o diretor do MNAA, Joaquim Caetano, decidiu encerrar salas entre as 12:00 e as 15:00 devido à falta de vigilantes, mantendo na altura o horário entre as 10:00 e as 18:00.

Nos anos anteriores também se repetiu o encerramento de salas no MNAA devido à falta de vigilantes, que eram, em abril do ano passado, cerca de 20, para 80 salas de exposição.

O MNAA foi criado em 1884 e acolhe a mais relevante coleção pública de arte antiga do país, de pintura, escultura, ourivesaria, artes decorativas portuguesas europeias e da expansão marítima portuguesa, desde a Idade Média até ao século XIX.

É um dos museus portugueses com maior número de obras classificadas como tesouros nacionais.

Além dos Painéis de São Vicente, de Nuno Gonçalves, o acervo integra ainda a Custódia de Belém, de Gil Vicente, datada de 1506, e Biombos Namban, do final do século XVI, que registam a presença dos portugueses no Japão.

O MNAA recebeu mais de 150 mil visitantes em 2019, numa redução de 1,8% face a 2018. Já em contexto de pandemia de covid-19, em 2020, o MNAA contou com mais de 58 mil entradas.

TDI (AG)// RBF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS