Movimento Greve Cirúrgica diz não ter nada a esconder e apela à identificação dos contribuidores

Movimento Greve Cirúrgica pediu a todos os contribuinte na recolha de fundos ‘online’ para o financiamento da greve dos enfermeiros que se identifiquem, porque “não há nada a esconder”.

Movimento Greve Cirúrgica diz não ter nada a esconder e apela à identificação dos contribuidores

Movimento Greve Cirúrgica diz não ter nada a esconder e apela à identificação dos contribuidores

Movimento Greve Cirúrgica pediu a todos os contribuinte na recolha de fundos ‘online’ para o financiamento da greve dos enfermeiros que se identifiquem, porque “não há nada a esconder”.

Lisboa, 09 fev (Lusa) — O Movimento Greve Cirúrgica pediu hoje a todas as pessoas que contribuíram ou que desejem no futuro contribuir na recolha de fundos ‘online’ para o financiamento da greve dos enfermeiros que se identifiquem, porque “não há nada a esconder”.

“Estamos preparadíssimos, não temos nada a esconder, sempre dissemos isso”, afirmou à agência Lusa Catarina Barbosa, representante do Movimento Greve Cirúrgica, numa reação à informação, avançada hoje pelo semanário Expresso, de que a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) vai investigar a origem dos fundos recolhidos pelos enfermeiros através de uma plataforma de financiamento colaborativo, ‘crowdfunding’, para as recentes greves daquela classe profissional.

À Lusa, a representante disse que o movimento enviou na sexta-feira, “antes de sair a notícia”, um ‘email’ a todos os contribuidores para que esses verificassem se as suas contribuições tinham sido anónimas ou não.

“E com um pedido para as pessoas se identificarem, exatamente porque não temos nada a esconder”, prosseguiu.

Catarina Barbosa indicou que o movimento já recebeu, entretanto, ‘emails’ de várias pessoas que querem alterar o ‘status’ de anónimo e colocarem a respetiva identificação.

“Acreditamos que se calhar, até ao fim do dia de hoje ou de amanhã [domingo], esse problema ficará resolvido. Porque nós nunca tivemos nada a esconder, não é por causa dos anónimos que as coisas vão ser diferentes”, afirmou a representante do Movimento Greve Cirúrgica, que organizou a recolha de fundos para as paralisações.

E acrescentou: “Estamos tranquilos, estamos à espera. O que nós queríamos era mesmo isso, que investigassem para acabarem mesmo com essa suspeita que existe, dos privados estarem a financiar, assim realmente vai ficar resolvido, vai ficar resolvida a questão. E espero que não se volte a falar mais desta situação. É a melhor forma de resolver isto”.

Questionada se o movimento foi, entretanto, contactado pela ASAE, Catarina Barbosa disse que, até agora, não houve qualquer contacto.

Segundo a edição de hoje do semanário Expresso, a ASAE vai investigar o fundo solidário que está a financiar a greve dos enfermeiros, perante as crescentes suspeitas sobre a origem do ‘crowdfunding’, que já angariou mais de 784 mil euros.

“As circunstâncias atuais precipitaram uma avaliação prévia às seis campanhas ativas, entre as quais a dos enfermeiros”, disse ao semanário o inspetor-geral da ASAE, Pedro Portugal Gaspar.

Na quinta-feira, fonte oficial da ASAE disse à agência Lusa que não fez qualquer inspeção às plataformas de ‘crowdfunding’ desde que foram criadas, há quase quatro anos, porque a legislação não está ainda uniformizada com as medidas de combate ao branqueamento de capitais.

“Havendo necessidade de serem estabelecidas regras para esta atividade, não foram até à data desenvolvidas ações de inspeção”, disse a ASAE numa resposta escrita enviada à agência Lusa.

SCA (JNM) // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS