Mosteiro em Braga acolhe festival que convida a brincar com as palavras

O Mosteiro de Tibães, em Braga, vai acolher, no sábado e domingo, a 3.ª edição do festival da palavra “Têpluquê”, com escritores como Ondjaki, Manuel Jorge Marmelo e Pedro Seromenho, foi hoje anunciado.

Mosteiro em Braga acolhe festival que convida a brincar com as palavras

Mosteiro em Braga acolhe festival que convida a brincar com as palavras

O Mosteiro de Tibães, em Braga, vai acolher, no sábado e domingo, a 3.ª edição do festival da palavra “Têpluquê”, com escritores como Ondjaki, Manuel Jorge Marmelo e Pedro Seromenho, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a organização acrescenta que o festival contará ainda com Valério Romão, Sandro William Junqueira, Ana Margarida de Carvalho, Manuela Costa Ribeiro, Adélia Carvalho e Raquel Patriarca.

Nesta edição, destaque também para as palavras musicais das cantautoras Capicua e Mafalda Veiga, as palavras contadas e cantadas por Saphir Cristal, Kiara Terra, Estefânia Surreira e Inácia Cruz, assim como as palavras transformadas em brinquedos e desejos para realizar pelo artesão Simão Bolivar.

Outro destaque é a residência artística que decorrerá numa casa partilhada por dois escritores e uma ilustradora, concretamente Adélia Carvalho, Ondjaki e Evelina Oliveira, que transformarão a Casa do Volfrâmio numa exposição de texto e ilustração sob o mote “Todos os caminhos vão dar a casa?”.

De regresso estão os consultórios literários que, ao longo dos dois dias de festival, “prometem estar a postos para atender quem estiver com insuficiência de palavras certas”.

“Cartas, retratos, declarações, reclamações, poções, receitas e até explicações esfarrapadas, mas sempre literárias, são as receitas que os nossos especialistas na arte de bem escrever prometem passar a quem os quiser consultar”, refere o comunicado.

Com nome “emprestado” pelo livro para a infância de Manuel António Pina “Têpluquê”, o festival é organizado pela Câmara de Braga, com produção da Livraria Papa-Livros.

“Pensado para toda a família, o ‘Têpluquê’ propõe uma viagem pela imaginação guiada pela palavra, tendo como objetivo despertar o imaginário literário, através da ligação do universo da literatura infantojuvenil a outras disciplinas lúdicas e/ou artísticas”, refere um comunicado da autarquia.

Dedicado a Manuel António Pina, como destaca a Papa-Livros, o festival foi “pensado para o público infantojuvenil de hoje e de ontem”, e “propõe-se explorar a palavra, usando-a como ponto de partida e de chegada”, em particular a palavra brincar, marcando “encontro com todos quantos são, e de todos quantos já foram, crianças”.

Em “Têpluquê”, “a palavra irá valer tanto como mil imagens”, garante a Papa-Léguas.

VCP // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS