Ministro considera Brasil “a maior fronteira de investimentos do mundo”

O Brasil é hoje “a maior fronteira de investimentos do mundo”, segundo o ministro da Economia brasileiro, Paulo Guedes, que espera que em dois anos haja uma recuperação da economia do país.

Ministro considera Brasil

Ministro considera Brasil “a maior fronteira de investimentos do mundo”

O Brasil é hoje “a maior fronteira de investimentos do mundo”, segundo o ministro da Economia brasileiro, Paulo Guedes, que espera que em dois anos haja uma recuperação da economia do país.

De acordo com o ministro, essa recuperação será possível através da vacinação em massa contra a covid-19, crescimento sustentável e implementação de uma agenda de reformas.

“O Brasil é uma grande sociedade aberta em construção. Estamos tentando avançar na melhoria das instituições”, disse Guedes durante a sua participação num encontro virtual com a imprensa espanhola.

Segundo o ministro brasileiro, em duas ou três semanas o país sul-americano retomará algumas das reformas económicas que haviam sido paralisadas pela pandemia do novo coronavírus. Entre elas, a reforma administrativa e tributária, um novo marco do setor elétrico, um projeto para declarar a plena independência do Banco Central e outros que visam permitir a abertura do processo de privatização de dezenas de estatais.

Um dos casos é a empresa Eletrobras, considerada a maior do setor elétrico em toda a América Latina e que desde 2016 aguarda a aprovação do parlamento para ser privatizada.

Mas, antes que os processos avancem, Guedes destacou a necessidade de acelerar a vacinação contra a covid-19 no momento em que o país atravessa o momento mais crítico desde que a doença chegou a território brasileiro, em fevereiro do ano passado, enfrentando um colapso hospitalar na maioria das grandes cidades.

O país sul-americano superou as 285 mil mortes e 11,7 milhões de infeções, mas todos os especialistas em saúde alertam que nas próximas semanas é esperado um forte aumento da curva pandémica, entre outros fatores devido à alta incidência de nova estirpe detetada no Amazonas e que já se espalhou por todo o país.

Até ao momento, apenas 5% de uma população de 212 milhões de habitantes está vacinada, “muito pouco”, considerou o ministro, que lembrou que o objetivo inicial das autoridades sanitárias brasileiras é ter 500 milhões de doses de imunizantes até ao final do ano.

“Mas poderá ser tarde, por isso estamos tentando acelerar o processo e conversando com os laboratórios”, frisou.

Guedes destacou a reforma da segurança social realizada no primeiro ano de Governo Jair Bolsonaro, que ajudou na gestão da pandemia.

O governante destacou ainda os 8,5% do Produto Interno Bruto (PIB) destinados “a salvar vidas e garantir empregos”, além dos 4% para rendimentos básicos de sobrevivência com a qual, segundo o ministro, “foi alcançada a maior redução da miséria em 30 anos”.

Outro dado que Guedes destacou foi a criação de 140 mil postos de trabalho formais (com contrato) durante a pandemia e a manutenção de 11 milhões de empregos nesse momento crítico, devido a acordos firmados com o setor privado.

Estima-se que a economia brasileira tenha caído 4,5% em 2020 em função da pandemia, “apenas abaixo da China, dos Estados Unidos e da Coreia do Sul”, disse o ministro, que garantiu que a atividade económica “está a voltar aos níveis anteriores”.

Guedes incentivou os investimentos no Brasil e apontou como principais setores o energético (gás natural e petróleo), cabotagem, turismo, economia verde digital, entre outros.

MYMM // LFS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS