Ministério da Agricultura avalia estragos do granizo em vinhas do Douro

Os técnicos do Ministério da Agricultura estão hoje a fazer o levantamento dos prejuízos causados pelo granizo e chuva intensa em vinhas e pomares de aldeias de Vila Real, inseridas na região do Douro, segundo foi hoje anunciado.

Ministério da Agricultura avalia estragos do granizo em vinhas do Douro

Ministério da Agricultura avalia estragos do granizo em vinhas do Douro

Os técnicos do Ministério da Agricultura estão hoje a fazer o levantamento dos prejuízos causados pelo granizo e chuva intensa em vinhas e pomares de aldeias de Vila Real, inseridas na região do Douro, segundo foi hoje anunciado.

Ao final da tarde de segunda-feira, e durante vários minutos, caiu granizo com muita intensidade e descrito como sendo do tamanho de “nozes” ou de bolas de “pingue-pongue” no território de Vila Real, acompanhado de chuva intensa.

O mau tempo provocou estragos na agricultura, como em vinhas inseridas na Região Demarcada do Douro, em árvores de fruto e produtos hortícolas, arrastando detritos para as estradas, e há ainda relatos de estragos em carros e até em coberturas de casas e armazéns devido à dimensão das pedras de granizo.

O Ministério da Agricultura disse hoje, em comunicado, que as equipas da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN) “já estão no terreno a proceder ao levantamento dos prejuízos causados” e adiantou que, com base no levantamento efetuado, “avaliará as medidas a adotar”.

O comunicado refere ainda que o Ministério da Agricultura “tem vindo a apoiar os prémios dos seguros de colheita, através da medida 6.1.1 — Seguros do PDR2020 e do Programa de Apoio ao Setor do Vinho (PNASV), de modo a reduzir os encargos para o agricultor, permitindo segurar a produção e garantindo uma indemnização em caso de sinistro de origem meteorológica”.

Já este ano, acrescenta, “procedeu a uma revisão do regulamento do seguro de colheitas e da compensação de sinistralidade, aumentando a bonificação atribuída”.

Nas últimas três campanhas (2018, 2019 e 2020), o ministério, através do Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP), procedeu ao pagamento de “cerca de 45,7 milhões de euros de apoio aos prémios de seguro contratados no âmbito dos seguros de colheitas”.

A DRAPN, através da Estação de Avisos do Douro, alertou também os produtores para começarem imediatamente a aplicar um tratamento para ajudar a cicatrizar as videiras, nomeadamente adubo foliar com elevada percentagem de cálcio.

Na aldeia de Guiães, na zona sul do concelho de Vila Real, a chuva forte chegou acompanhada de granizo, deixando um cenário nas vinhas de videiras que ficaram “apenas com as varas” e perderam “as folhas e os cachos de uvas que já estavam formados”.

“Tenho quase 50 anos e nunca vi nada assim. A trovoada destruiu tudo. Foi muito grave”, afirmou à Lusa o viticultor e presidente da Associação de Agricultores Corgo e Douro (Corgidouro), Fernando Borges.

Na freguesia vizinha de Abaças, o presidente da junta, Filipe Brigas, disse haver zonas “onde as vindimas estão feitas” e falou numa “catástrofe” que atingiu as aldeias daquela zona do concelho de Vila Real onde a vinha e o vinho são a principal atividade económica.

“Nunca vi assim granizo tão grande na minha vida”, frisou o autarca que também é viticultor.

Após a tempestade de granizo, foram muitos os que partilharam fotografias nas redes sociais, bem como na página de Facebook “Meteo Trás-os-Montes”.

PLI // JAP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS