Homem que matou filha e sogra no Seixal premeditou homicídios

Pedro Henriques matou a filha de dois anos, depois de ter matado a sogra, no Seixal. Após os homicídios, o pai suicidou-se

Pedro Henriques, de 39 anos, chocou Portugal após ter matado, no Seixal, a filha Lara, de dois anos, e a sogra, Helena, de 60, num espaço de horas na passada  terça-feira, dia 5 de fevereiro. Apesar de ainda haver muitos pormenores por explicar – tendo em conta que os resultados das autopsias ainda não foram divulgados – os investigadores da PJ acreditam que o homicida terá premeditado os crimes, avança o Correio da Manhã.

Pedro, que se suicidou após ter cometido os assassínios, desfez-se de bens pessoais e de pertences da filha depois de ter matado a sogra com duas facadas no pescoço e no peito. Nesse momento, Lara ainda estaria viva. O progenitor terá colocado esses bens, incluindo roupa sua e da menina, num contentor do lixo perto da casa de Helena, na Cruz de Pau. Os agentes da PJ também acreditam que Pedro tinha planeado matar a ex-companheira, Sandra, e contava em encontrá-la em casa da sogra naquela trágica manhã. Nos dias antes dos homicídios, o assassino levantou todo o dinheiro que tinha e nunca mais usou o multibanco.

Reconstituição dos crimes

Tudo começou quando o homem foi a casa da ex-companheira deixar alegadamente a menina, na Cruz de Pau. Pedro e a sogra, terão começado a discutir mal o homem chegou à habitação. Nisto, o assassino mata a mãe da ex-namorada à facada. Lara, a única filha do ex-casal, não terá visto a avó a morrer, pois ao que tudo aponta estava a dormir no veículo estacionado à porta do prédio. Às 6h00 desse dia, Pedro tinha ido tomar café à pastelaria Orly, também no Seixal, onde já tinha ameaçado o sogro, Rui.

Após ter matado a mulher de 60 anos, o suspeito pôs-se em fuga com a filha. Neste momento, as autoridades já procuravam Pedro. Por volta das 8h30, o progenitor ligou para o INEM a informar que a filha estava morta dentro de veículo que se encontrava perto do McDonalds de Corroios e avisou que se ia suicidar. Esta quarta-feira foi divulgado que a menina morreu estrangulada e que o seu corpo foi atirado para a bagageira do referido ligeiro.

 «[A culpa ] não é minha, não é de ninguém»

Dentro do carro, no tablier, Pedro deixou uma carta. Na mensagem, que sugere que o homicida tenha planeado os crimes, o homem dirige-se à antiga  companheira e deixa-lhe um curto recado: «[A culpa ] não é minha, não é de ninguém», avança o Correio da Manhã. Por volta das 10h00, o suspeito é encontrado morto na zona de Castanheira de Pera, em Leiria, perto da casa dos pais. Pedro suicidou-se com uma caçadeira, que se encontrava junto ao seu cadáver.

Das 8h00 até às 10h00, a PJ de Setúbal, terá tentado fazer de tudo para impedir o trágico final deste caso. A Judiciária terá divulgado uma fotografia do homem à GNR  e PSP, controlou estradas e portagens. No entanto, nada conseguiu fazer para evitar que três pessoas morressem na passada terça-feira.

Estava marcada, para esse dia, no Tribunal de Família e Menores do Seixal, uma sessão para alterar as responsabilidades parenteais sobre a criança. O homem estava separado da mulher há já algum tempo e já tinha sido referenciado por episódios de violência doméstica, avançam fontes policiais. Ao que tudo aponta, Pedro queria castigar a família da própria filha.

LEIA MAIS 

Joana tinha 8 anos quando foi morta pela mãe e tio. O corpo foi dado a comer aos porco

Leonor Cipriano: «Vou à procura da minha filha, hei-de encontrá-la»

Mãe homicida confessa: «Eu matei a minha própria filha. Desferi-lhe três golpes»

Previsão do tempo para sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

 

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Homem que matou filha e sogra no Seixal premeditou homicídios

Pedro Henriques matou a filha de dois anos, depois de ter matado a sogra, no Seixal. Após os homicídios, o pai suicidou-se