Marcadores-chave das alterações climáticas bateram novos recordes em 2021

Quatro marcadores-chave das alterações climáticas bateram novos recordes em 2021, revelou hoje a Organização das Nações Unidas, avisando que o sistema global de energia está a conduzir a humanidade para a catástrofe.

Marcadores-chave das alterações climáticas bateram novos recordes em 2021

Marcadores-chave das alterações climáticas bateram novos recordes em 2021

Quatro marcadores-chave das alterações climáticas bateram novos recordes em 2021, revelou hoje a Organização das Nações Unidas, avisando que o sistema global de energia está a conduzir a humanidade para a catástrofe.

Para as alterações climáticas contribuíram as concentrações de gases com efeito de estufa, o aumento do nível do mar, a temperatura e a acidificação dos oceanos atingiram novos recordes no ano passado, refere a Organização Meteorológica Mundial (OMM) no relatório “Estado do Clima Global em 2021”.

Para ler depois
Portugueses não sabem que alterações climáticas têm efeitos negativos na doença cardiovascular
Apenas 33 por cento dos portugueses revelaram ter plena noção de que as alterações climáticas têm efeitos nefastos para a saúde cardíaca (… continue a ler aqui)

Este documento é “uma ladainha lamentável do fracasso da humanidade em combater as mudanças climáticas”, considerou secretário-geral da ONU, António Guterres. “O sistema global de energia está quebrado e aproxima-nos cada vez mais da catástrofe climática”, alertou Guterres, pedindo para se “acabar com a poluição por combustíveis fósseis e acelerar a transição para energia renovável”, antes de se incinerar o planeta.

A OMM refere que a atividade humana está a provocar mudanças à escala planetária: na terra, no oceano e na atmosfera, com ramificações prejudiciais e duradouras para os ecossistemas. O relatório desta organização confirmou que os últimos sete anos foram os sete anos mais quentes alguma vez registados. Os fenómenos climáticos relacionados com o La Nina no início e no final de 2021 tiveram um efeito assustador nas temperaturas globais no ano passado. Mas, apesar disso, 2021 continua a ser um dos anos mais quentes já registados, com a temperatura média global a rondar os 1,11 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

O Acordo Climático de Paris de 2015 visava limitar o aquecimento global a +1,5°C em comparação com a era pré-industrial. “O nosso clima está a mudar diante de nossos olhos”, disse o chefe da OMM, Petteri Taalas, sublinhando: “O calor retido pelos gases com efeito de estufa produzidos pelo homem aquecerá o planeta por muitas gerações”. “O aumento do nível do mar, o calor e a acidificação dos oceanos continuarão por centenas de anos. A menos que sejam inventadas maneiras de remover o carbono da atmosfera”, acrescentou. Os quatro indicadores-chave da mudança climática “constroem uma imagem coerente de um mundo em aquecimento que afeta todas as partes do planeta”, diz o relatório da OMM

As concentrações de gases com efeito estufa atingiram uma nova alta global em 2020, quando a concentração de dióxido de carbono (CO2) atingiu 413,2 partes por milhão (ppm) em todo o mundo, ou 149% dos níveis pré-industriais. Os dados indicam que estes gases continuaram a aumentar em 2021 e no início de 2022, com a concentração média mensal de CO2 em Mona Loa, no Havai, atingindo 416,45 ppm em abril de 2020, 419,05 ppm em abril de 2021 e 420,23 ppm em abril de 2022, de acordo com o relatório.

O nível médio global do mar também atingiu um novo recorde em 2021, depois de subir uma média de 4,5 milímetros por ano de 2013 a 2021, informa o documento. O aumento médio entre 1993 e 2002 tinha sido de 2,1 mm por ano, sendo o aumento entre os dois períodos “principalmente devido à perda acelerada de massa de gelo das calotas polares”, acrescenta.

A temperatura do oceano também atingiu um recorde no ano passado, superando o valor de 2020, de acordo com o relatório. Espera-se que os primeiros 2.000 metros de profundidade do oceano continuem a aquecer no futuro – “uma mudança irreversível em escalas de tempo de séculos a milénios” – segundo a OMM, que sublinha que o calor penetrou cada vez mais fundo.

O oceano absorve cerca de 23% das emissões anuais de CO2 produzidas pelo homem na atmosfera. Embora retarde o aumento das concentrações atmosféricas de CO2, este último reage com a água do mar e leva à acidificação dos oceanos. Enquanto isso, o relatório aponta que o buraco na camada de ozono da Antártida é “invulgarmente profundo e extenso” com 24,8 milhões de quilómetros quadrados em 2021, impulsionado por um vórtice polar forte e estável.

António Guterres propôs cinco ações para iniciar a transição para as energias renováveis “antes que seja tarde”: acabar com os subsídios aos combustíveis fósseis, triplicar o investimento em energias renováveis, reduzir a burocracia, garantir o fornecimento de matérias-primas para tecnologias de energias renováveis e tornar essas tecnologias – como o armazenamento de baterias – bens públicos globais disponíveis gratuitamente. “Se agirmos juntos, a transformação das energias renováveis pode ser o projeto de paz do século 21”, disse Guterres.

Impala Instagram


RELACIONADOS