“Lux-Lucis” de Miquel Bernat junta luz e percussão e estreia-se quinta-feira no TNSJ

A peça “Lux-Lucis”, de Miquel Bernat, que se estreia na quinta-feira, no Teatro Nacional São João, tem por base “a sinergia entre o sentido do olhar e o sentido de ouvir”, traduzindo-se num espetáculo “incomum”, descreveu hoje o diretor artístico.

“Lux-Lucis” de Miquel Bernat junta luz e percussão e estreia-se quinta-feira no TNSJ

A peça “Lux-Lucis”, de Miquel Bernat, que se estreia na quinta-feira, no Teatro Nacional São João, tem por base “a sinergia entre o sentido do olhar e o sentido de ouvir”, traduzindo-se num espetáculo “incomum”, descreveu hoje o diretor artístico.

“Lux-Lucis”, refere a sinopse, “mistura luz e percussão”, sendo uma coprodução Drumming — Grupo de Percussão e do Teatro Nacional São João (TNSJ), que reúne cinco intérpretes em cima do palco, com espetáculos de quinta-feira a sábado.

Em declarações à agência Lusa, Miquel Bernat, responsável pela criação e direção artística da peça, descreveu que esta se baseia na “música visual”, ou seja, “na sinergia entre o sentido do olhar e o sentido de ouvir”.

“E essa junção gera um ‘plus’, porque é como juntar duas coisas e criar algo diferente através de uma união. O espetáculo tem a ver com a luz, mas é um espetáculo bastante obscuro e é através da escuridão que aparecem os detalhes das luzes que aparecem com contornos interligados com a música”, referiu o criador espanhol.

É que, em palco, num espetáculo de aproximadamente uma hora e meia para maiores de seis anos, há uma peça em que a música é marcada pelo ritmo de lâmpadas, bem como uma coreografia com caixas de fósforos, entre outras abordagens.

As peças musicais que compõem “Lux-Lucis” são de Kate Neal, Mátyás Wettl, Juliana Hodkinson, David del Puerto e Igor C.Silva, enquanto a interpretação está a cargo de Pedro Góis, João Miguel Braga Simões, Saulo Giovanni, Miguel Moreira e Miquel Bernat.

“São cinco compositores e interpretes diferentes. Alguns deles nem se conhecem e vão conhecer-se aqui. Cada peça é independente e pode funcionar isolada, mas foi dada, propositadamente, uma narração a estas cinco peças. Gosto de dar a todo o concerto uma unidade. No fundo são cinco contos contados de forma diferente, mas com uma temática comum, a luz, uma luz subtil que transmite certas sensações ao público”, descreveu Miquel Bernat.

O músico e diretor artístico admitiu que, “de alguma forma, a peça faz uma comparação com a sociedade que está sempre a chamar a atenção, ora para coisas mais complexas, mas também para as mais simples”.

Já a sinopse distribuída aos jornalistas, no ensaio de imprensa que decorreu esta tarde no TNSJ, fala em “cinco peças de intensa e lúdica componente performativa”, e que “Lux-Lucis” “é um refúgio ao ruidoso mundo exterior, barulhento e cheio de luz apresentado numa sala de espetáculos, um dos únicos espaços ainda capazes de preservar o silêncio”.

Em causa, um aspeto que assume muita relevância nesta peça, uma vez que o criador acredita que “a luz é apenas percetível com a escuridão”, e que, “se existe a vontade de escutar música, é necessário primeiro o silêncio”.

Miquel Bernat acrescentou que “esta não é uma luz banal e frequente, como as dos anúncios ou reclames”, mas “uma luz trabalhada da forma mais poética, mais reflexiva, mais detalhada” e revelou à Lusa alguns dos objetivos da obra.

“Queremos dar ao público português aquilo que ainda não conhece. Queremos expandir os horizontes da arte. Os espetáculos de música e luz acontecem em concertos de rock, por exemplo, mas aqui não se pretende algo tão bombástico. Aqui é mais artístico e procuramos um ponto mais poético tanto da luz como da música”, afirmou.

Este espetáculo pode ser visto quinta e sexta-feira, às 21:00, e sábado, às 19:00. O preço dos bilhetes varia entre os 7,50 e os 16 euros.

PFT // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS