1. HOME >
  2. NOTICIAS >
  3. ATUALIDADE

«Depois de Luís Grilo ter desaparecido, a Rosa não parecia preocupada»

«Odete» (nome fictício), uma pessoa próxima da família Grilo, fala sobre os dias que se seguiram ao desaparecimento de Luís. Segundo a mulher, Rosa teve vários comportamentos «estranhos», na altura.

Rosa Grilo, detida no Estabelecimento Prisional de Tires, é a principal suspeita de ter matado Luís Grilo, com a ajuda do amante, António Joaquim, encarcerado nas instalações da Polícia Judiciária, em Lisboa.

LEIA MAIS: Juíza mantém cerco apertado e quer abrir cartas de Rosa

Passados quase seis meses da morte do triatleta, ainda é incerto o que aconteceu ao marido da suspeita. No programa da SIC, Linha Aberta, conduzido por Hernâni Carvalho, declarações prestadas por «uma pessoa próxima da família Grilo», acrescenta novos contornos sobre como terão sido os dias que se seguiram ao desaparecimento do desportista amador, engenheiro informático de profissão.

«Depois de Luís Grilo ter desaparecido, a Rosa não parecia preocupada», revela «Odete» (nome fictício), uma mulher que garante que ia diariamente a casa da família antes de Rosa ter sido detida preventivamente a 26 de setembro do ano passado.

Apesar de ter achado a atitude da mulher de Luís pouco comum dadas as circunstâncias, «Odete» explica que por outro lado Rosa podia não estar a demonstrar a tristeza que sentia porque era «uma pessoa fria». «A Rosa não é uma pessoa de sentimentos. Não era muito meiga nem afectuosa, mas de qualquer maneira, agora acho que estava estranha», recorda.

«Antes do desaparecimento, o menino nunca ficava sozinho em casa, depois já ficava»

Outra situação anómala que captou a atenção da testemunha foi o facto de o filho, de 13 anos, do casal passar a ficar por muitas vezes sozinho em casa após o desaparecimento do pai. «Não era normal deixar o menino em casa sozinho. Mas mal ele desapareceu, a criança passou a ficar muitas vezes sozinha».

«Até no dia do funeral do pai, o menino ficou sozinho em casa enquanto ela [Rosa] estava na casa funerária», destaca.

«O quarto de hóspedes foi remodelado depois do crime»

 

Segundo a testemunha, Rosa e Luís dormiam em quartos separados, sendo que o atleta passava as noite no quarto de hóspedes. De acordo com as investigações da Polícia Judiciária, a vítima terá morrido na cama do quarto de hóspedes.

«Odete» explica que, atualmente, o quarto de hóspedes está completamente remodelado. A cama de casal foi substituída por duas camas de uma pessoa e as mesas de cabeceira, os cortinados e outros objectos decorativos também foram trocados. «O quarto foi pintado. Está tudo diferente, com objectos diferentes».

A mulher ainda conta que vizinhos viram Rosa Grilo a desfazer-se do colchão da cama onde Luís terá morrido e a lavar tapetes. «Uma amiga que mora lá disse-me que viu Rosa a levar um colchão para o lixo». Tendo em conta que uma casa nas redondezas estava a ser despejada, muitas peças de mobiliário estavam no lixo, juntamente com o referido colchão, fazendo com que o mesmo «passasse despercebido».

VEJA AINDA: Pai de Rosa pede à filha que diga a verdade

Texto: Redação WIN – Conteúdos Digitais

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

«Depois de Luís Grilo ter desaparecido, a Rosa não parecia preocupada»

«Odete» (nome fictício), uma pessoa próxima da família Grilo, fala sobre os dias que se seguiram ao desaparecimento de Luís. Segundo a mulher, Rosa teve vários comportamentos «estranhos», na altura.