Lisboa recebe 1.º Encontro de Jovens Investigadores da CPLP sobre África

O 1.º Encontro de Jovens Investigadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) sobre África inicia-se quinta-feira, em Lisboa, visando “promover trabalhos de investigação científica em estudos africanos”, ainda pouco conhecidos nestes países, segundo a organização.

Lisboa recebe 1.º Encontro de Jovens Investigadores da CPLP sobre África

Lisboa recebe 1.º Encontro de Jovens Investigadores da CPLP sobre África

O 1.º Encontro de Jovens Investigadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) sobre África inicia-se quinta-feira, em Lisboa, visando “promover trabalhos de investigação científica em estudos africanos”, ainda pouco conhecidos nestes países, segundo a organização.

À Lusa, Cristina d’Abril, da comissão organizadora, explicou que a iniciativa, que se prolonga até sexta-feira, quer “promover trabalhos de investigação científica em estudos africanos com os jovens dos nove países de língua portuguesa, numa perspetiva de diversificar a investigação”.

“Maior parte das investigações feitas nos últimos tempos sobre África são, acima de tudo, nos países ocidentais, e nos países africanos de língua portuguesa, os trabalhos científicos são praticamente não conhecidos e é um pouco impulsionar essa investigação que está a ser feita nos países de língua portuguesa”, explicou Cristina d’Abril.

Segundo a organizadora, pretende-se “trazer um outro olhar para a investigação científica sobre África”.

O evento começa na manhã de quinta-feira, na sede da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA), com intervenções do seu secretário-geral, Vítor Ramalho, do secretário-executivo da CPLP, Francisco Ribeiro Telles, do presidente do Centro de Estudos sobre África e Desenvolvimento (CESA), unidade de investigação do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), António Mendonça, e Cristina d’Abril.

Estão também previstas várias mesas redondas durante o primeiro dia, abordando temas como “As Trocas Comerciais e a Economia Digital em África”, “A Repercussão do Reinado de Njinga A Mbande a nível Mundial” e “Tradição e Modernidade sob o Impacto da Globalização dos Países Africanos”.

O segundo dia do evento, já no ISEG, inicia-se com uma mesa redonda sobre o tema “A Digitalização no Desenvolvimento e Cooperação em África”, seguindo-se quatro painéis de jovens investigadores de Angola, Brasil, Moçambique e Portugal.

Cristina d’Abril espera que este evento seja “o início de um trabalho” que dê “frutos a longo prazo” e que, com futuros encontros, se produza “investigação diversa, a longo prazo”, e a presença “nas grandes conferências internacionais, de investigadores com qualidade e quantidade, acima de tudo”.

A organizadora referiu que a promoção de colaboração na investigação é também uma das ideias desta iniciativa.

A integrante da comissão organizadora explicou que a pandemia de covid-19 obrigou a alterações na iniciativa, que inicialmente previa “chamar os jovens”.

Assim, a organização construiu esta primeira edição como “uma forma de puxar e acalentar algumas pessoas, trazendo estes peritos e motivar para os próximos encontros” que pretendem realizar no futuro.

Sobre estas futuras edições, Cristina D’Abril espera que estas tenham uma abordagem “mais académica”.

A organizadora lançou um apelo para a participação, dizendo que, independentemente da idade, o importante é que os participantes estejam envolvidos “nessa diversidade na área da investigação”.

A edição estará aberta “a todas as pessoas” e os espectadores poderão intervir.

“Nós tentamos fazer aqui uma conferência híbrida e incluirmos também pessoas, por exemplo, estejam em Cabo Verde, em Timor-Leste ou Brasil e que queiram falar”, explicou.

JYO // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS