Líder do PAICV acusa o Governo de Cabo Verde de “gestão corrente” na educação

A presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, na oposição, acusou hoje o Governo de fazer uma “gestão corrente” do setor da educação através de “medidas casuísticas” com efeitos negativos, sobretudo no ensino secundário.

Líder do PAICV acusa o Governo de Cabo Verde de

Líder do PAICV acusa o Governo de Cabo Verde de “gestão corrente” na educação

A presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, na oposição, acusou hoje o Governo de fazer uma “gestão corrente” do setor da educação através de “medidas casuísticas” com efeitos negativos, sobretudo no ensino secundário.

“Não obstante as conquistas alcançadas, regista-se um grande recuo nos últimos três anos, sobretudo no que tange ao planeamento do sistema de educação”, disse Janira Hopffer Almada aos jornalistas, no final de uma visita à Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde, na cidade da Praia.

A visita insere-se no conjunto de deslocações a instituições de ensino que o PAICV está a realizar, no âmbito da preparação do debate sobre o Estado da Nação, que se realizará no final deste mês.

Para Janira Hopffer Almada, “o atual Governo tem feito uma gestão corrente do setor, um pouco entre o erro e a falha”.

“Há muitas escolas sem professores e com colocação tardia de professores, temos muitos problemas com o material didático, especificamente manuais e erros crassos nos manuais”, disse.

As críticas da líder do maior partido da oposição estenderam-se à criação de um agrupamento escolar que, na sua opinião, “ainda não provou qual o impacto positivo que tem na comunidade educativa em geral, nem nos professores, nem nos alunos, criando uma grande confusão nos encarregados de educação”.

“Temos situações relacionados com o sistema de avaliação que está regulado por diploma legal e tem sido sistematicamente alterado por este Governo, pelo Ministério da Educação, com despachos casuísticos, o que acaba por denotar alguma desorganização e falta de planificação”, prosseguiu.

Janira Hopffer Almada considera que o ensino secundário tem sido o mais afetado, pois é neste nível que se tem sentido “a falta de material pedagógico, didático por um lado, e por outro com erros crassos”.

“É no secundário que se detetou a falta de professores e a colocação tardia de professores, é no secundário que se registam problemas, no que tange à implementação do tal agrupamento escolar que foi criado, também é no secundário que se registaram os grandes problemas relativamente ao sistema de avaliação, o qual está a ser alterado, mediante despacho, sem se ter em conta o impacto que tem na vida dos alunos, dos professores e na vida dos próprios encarregados de educação, comprometendo seguramente o país”, disse.

E acrescentou: “Não podemos continuar a fazer discursos de reformas, como este Governo tem feito no sistema de educação, que não são reforma alguma”.

“Trata-se de medidas casuísticas, tomadas sem primeiro se auscultar a comunidade educativa e os atores de educação para se aferir dos riscos e por outro sem se fazer o balanço dos impactos para saber se resultou”, referiu.

Janira Hopffer Almada iniciou o dia com uma visita à Escola Secundária Abrolhos, seguindo depois para a Escola Secundária Miraflores, ambas na capital.

Depois da Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde, a presidente do PAICV vai visita ainda hoje a Escola Secundária Alternativa.

SMM // VC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS