Lançado concurso de 5,4 ME para instalar Museu da Música no Palácio Nacional de Mafra

A câmara de Mafra aprovou hoje o lançamento de um concurso no valor de 5,4 milhões de euros para obras de instalação do Museu Nacional da Música no Palácio Nacional de Mafra, no distrito de Lisboa.

Lançado concurso de 5,4 ME para instalar Museu da Música no Palácio Nacional de Mafra

Lançado concurso de 5,4 ME para instalar Museu da Música no Palácio Nacional de Mafra

A câmara de Mafra aprovou hoje o lançamento de um concurso no valor de 5,4 milhões de euros para obras de instalação do Museu Nacional da Música no Palácio Nacional de Mafra, no distrito de Lisboa.

A proposta de lançamento do concurso e do respetivo caderno de encargos da empreitada foi aprovada por unanimidade, depois de elaborado o projeto e de o município ter recebido, em março, financiamento do Fundo de Salvaguarda do Património Cultural, através do Programa de Recuperação e Resiliência.

O concurso tem um prazo de execução de um ano e prevê um investimento de 5,4 ME, dos quais 4,4 ME são financiados pelo Programa de Recuperação e Resiliência e um milhão pela câmara municipal, segundo a proposta, a que a agência Lusa teve acesso

Em abril, a anterior diretora do Museu Nacional da Música, Graça Drummond Ludovice, explicou que, nas atuais instalações do museu, de caráter provisório há 28 anos, “há falta de espaço para a coleção que tem vindo a crescer”, e que a mudança para o Palácio Nacional de Mafra “vai permitir criar sinergias, dar maior visibilidade que o museu merece e atrair mais público”.

O musicólogo Edward Ayres de Abreu é o diretor do Museu Nacional da Música, desde o passado dia 01.

O Ministério da Cultura assumiu, em 2019, a instalação em Mafra do Museu Nacional da Música para dotar o acervo de bens culturais, único na Europa, das condições necessárias para a sua preservação, estudo e divulgação.

Segundo o primeiro esboço do projeto, divulgado em abril, o museu vai ter três pisos: um destinado a zona de reservas, controlo de temperatura e de humidade e elevador; outro para serviços de receção, bilheteira, cafetaria e loja; e um terceiro piso dedicado à exposição do acervo, que começa com “zona partilhada”, que fará a ponte entre o palácio e o museu, com informações do contexto histórico.

Além do Museu da Música, em Mafra, vai também funcionar um centro de investigação e de formação dedicado às ciências musicais, fruto de uma parceria com a Universidade Nova de Lisboa.

Em outubro de 2021, o Ministério da Cultura e a Câmara Municipal de Mafra escolheram a parceria dos gabinetes de arquitetura Site Specific Arquitetura e P06 Atelier para a elaboração do projeto para o Museu da Música, entre 17 propostas apresentadas ao concurso.

O museu, atualmente instalado na estação de Metropolitano do Alto dos Moinhos, em Lisboa, tem uma das mais ricas coleções da Europa de instrumentos musicais, com um acervo composto por mil instrumentos dos séculos XVI ao XX, de tradição erudita e popular.

Fazem também parte do museu vários espólios documentais, e coleções fonográficas e iconográficas do maior relevo.

Entre os instrumentos classificados como Tesouro Nacional estão o cravo Taskin, de 1782, recentemente restaurado, e o cravo Antunes, de 1758.

O piano Boisselot, que o compositor e pianista Franz Liszt trouxe a Lisboa, em 1845, e o violoncelo de Antonio Stradivari, que pertenceu ao rei Luís, são outros tesouros do museu.

O violoncelo de Henry Lockey Hill, de Guilhermina Suggia, os violinos e violoncelos de Joaquim José Galrão, os clavicórdios setecentistas das oficinas lisboetas e portuenses são outros destaques da coleção, assim como os raros cornes ingleses Grenser e Grundman & Floth, do final do século XVIII, e as flautas de Ernesto Frederico Haupt, de meados do século XIX, que são exemplares únicos.

 

FCC // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS