Jerónimo afirma que fim de taxas moderadoras “deve ser concretizado e não atrasado”

O secretário-geral do PCP considerou hoje que a isenção das taxas moderadoras na saúde não deve esperar por resultados eleitorais e é uma medida que “deve ser concretizada e não atrasada”.

Jerónimo afirma que fim de taxas moderadoras

Jerónimo afirma que fim de taxas moderadoras “deve ser concretizado e não atrasado”

O secretário-geral do PCP considerou hoje que a isenção das taxas moderadoras na saúde não deve esperar por resultados eleitorais e é uma medida que “deve ser concretizada e não atrasada”.

O fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser faseado, não entrando em vigor já em 2020, como previa um projeto de lei do BE aprovado no dia 14 no parlamento, noticia hoje o semanário Expresso.

De acordo com o jornal, que cita fonte governamental, o executivo deu indicações ao PS para alterar, na especialidade, o diploma do Bloco de Esquerda que previa a eliminação já em 2020 do pagamento das taxas moderadoras nos centros de saúde e em consultas no Serviço Nacional de Saúde.

“Nós [PCP] consideramos que estamos em tempo político, com atualidade para que se concretize tudo o que sejam medidas progressistas para os trabalhadores e para o povo”, disse hoje Jerónimo de Sousa aos jornalistas, em Pinhel.

Por isso, para o secretário-geral do PCP, essas medidas “não devem esperar por resultados eleitorais”.

“Como é sabido, houve uma iniciativa na Assembleia da República, que foi aprovada por larga maioria em termos de generalidade, portanto, baixou a Comissão, é tempo, digamos, de discussão feita na especialidade, e ainda de entrar em vigor agora, não é à espera do período pós-eleitoral”, lembrou o líder nacional do PCP.

Para Jerónimo de Sousa, a eliminação das taxas moderadoras, “sendo uma medida que não resolve os magnos problemas que hoje existem no Serviço Nacional de Saúde, é mais uma contribuição, é mais um passo adiante que deve ser concretizado”.

“É uma medida facilmente assumida, particularmente pela maioria na Assembleia da República, que deve ser concretizada e não atrasada, com esquemas, designadamente do faseamento, que nunca ninguém sabe bem quando começa e quando acaba”, rematou Jerónimo de Sousa, que falava aos jornalistas em Pinhel, no distrito da Guarda, no final de uma homenagem a José Dias Coelho – escultor e militante do PCP, natural de Pinhel, que foi assassinado pela PIDE em 19 de dezembro de 1961.

A fonte do executivo disse ao Expresso que a isenção do pagamento das taxas moderadoras, que custa “cerca de 150 milhões de euros/ano”, vai ser “faseada”.

Esta alteração acontece numa altura em que os partidos estão a debater na Assembleia da República, em sede de especialidade, a aprovação de uma nova Lei de Bases da Saúde. Depois de frustradas as negociações do PS com os partidos à sua esquerda, que pretendiam eliminar a possibilidade de Parcerias Público-privadas (PPP) na área da Saúde, os socialistas estão agora a discutir com o PSD a viabilização de uma nova lei de bases que substitua a que está em vigor, de 1990, quando Cavaco Silva era primeiro-ministro.

O parlamento aprovou no passado dia 14, na generalidade, o diploma do Bloco de Esquerda que acaba com as taxas moderadoras nos centros de saúde e em consultas ou exames prescritos por profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O projeto foi aprovado com votos contra do CDS-PP e votos favoráveis das restantes bancadas.

ASR(JPS/SMA) // JPS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS