Japão continua as buscas por mais de 100 desaparecidos após chuvas torrenciais

Japão continua as buscas por mais de 100 desaparecidos após chuvas torrenciais

As equipas de regaste japonesas prosseguem as buscas de 127 desaparecidos, na sequência das chuvas torrenciais registadas no país, que causaram mais de 200 mortos e centenas de feridos, segundo o último balanço oficial.

Tóquio, 13 jul (Lusa) – As equipas de regaste japonesas prosseguem hoje as buscas de 127 desaparecidos, na sequência das chuvas torrenciais registadas no país, que causaram mais de 200 mortos e centenas de feridos, segundo o último balanço oficial.


De acordo com o porta-voz do Governo japonês, Yoshihide Suga, cerca de 73.000 pessoas foram mobilizadas para as operações, entre forças do exército, polícias e bombeiros. Cerca de 70% dos desaparecidos têm 60 ou mais anos, noticiou a imprensa nipónica.


Já o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, agradeceu aos 5.500 voluntários que estão a ajudar sete mil desalojados, sobretudo nas áreas mais afetadas, Hiroshima e Okayama.


“Prevê-se a chegada de mais voluntários às áreas afetadas nos próximos três dias [na segunda-feira é feriado no Japão], por isso apelo a todos para que reforcem a segurança e medidas para combater as altas temperaturas”, disse Abe, em declarações transmitidas na televisão.


A Agência Meteorológica do Japão (JMA) prevê que as temperaturas excedam os 30 graus centígrados nos próximos dias, elevando o risco de insolação e propagação de doenças infecciosas entre deslocados e socorristas.


Durante o dia, o chefe do Executivo japonês visita Ehime, outra das prefeituras mais afetadas.


Cerca de 207 mil casas ainda estão sem água, apesar do fornecimento de eletricidade e gás já ter sido restaurado, noticiaram os jornais locais.



FST // FST/EJ

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Japão continua as buscas por mais de 100 desaparecidos após chuvas torrenciais

As equipas de regaste japonesas prosseguem as buscas de 127 desaparecidos, na sequência das chuvas torrenciais registadas no país, que causaram mais de 200 mortos e centenas de feridos, segundo o último balanço oficial.