INSA, DGS e INEM participam em projeto europeu para melhorar resposta a pandemias

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, a Direção-Geral da Saúde e o Instituto Nacional de Emergência Médica vão participar num projeto europeu para melhorar a preparação e a resposta da União Europeia a futuras pandemias.

INSA, DGS e INEM participam em projeto europeu para melhorar resposta a pandemias

INSA, DGS e INEM participam em projeto europeu para melhorar resposta a pandemias

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, a Direção-Geral da Saúde e o Instituto Nacional de Emergência Médica vão participar num projeto europeu para melhorar a preparação e a resposta da União Europeia a futuras pandemias.

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, a Direção-Geral da Saúde e o Instituto Nacional de Emergência Médica vão participar num projeto europeu para melhorar a preparação e a resposta da União Europeia a futuras pandemias.

Em comunicado, as três instituições explicam que o objetivo do projeto PANDEM-2, que arranca já este mês, é “desenvolver processos e sistemas de informação para melhorar a preparação e resposta da União Europeia (UE) a futuras pandemias”.

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) e a Direção-Geral da Saúde (DGS) vão ocupar-se, sobretudo, com as áreas dos sistemas de vigilância, desenho da resposta pandémica e formação e disseminação das soluções desenvolvidas.

Já o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) participará no planeamento, implementação, simulação e treino de algumas das ferramentas.

Segundo as instituições, os processos e sistemas de informação desenvolvidos vão permitir simular diferentes cenários e as respetivas respostas possíveis, de forma a melhorar, por exemplo, a gestão de recursos essenciais como camas de internamento, equipamentos de proteção individual e vacinas.

As soluções que resultarem da iniciativa, continua o comunicado, “permitirão uma resposta coerente e eficaz a uma próxima pandemia”, através de uma melhor análise de dados em tempo real, partilha de informação entre os países e adoção de políticas comuns, em comparação com aquilo que tem sido a resposta à pandemia da covid-19.

Algumas das áreas em que o projeto pretende contribuir para a partilha de informação e adoção de políticas comuns são, por exemplo, o aumento populacional, as viagens internacionais e os fatores ambientais, que aumentam a possibilidade de transmissão de doenças de animais para humanos.

O PANDEM-2 é liderado pela Universidade Nacional da Irlanda e reúne líderes europeus das áreas da saúde, segurança, defesa, microbiologia, comunicação, tecnologias da informação e gestão de emergência.

O conselho consultivo integra a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doença (ECDC).

No total, o projeto é financiado em 9,75 milhões de euros através do programa Horizonte 2020 da União Europeia para a investigação e inovação e terá a duração de dois anos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.355.410 mortos no mundo, resultantes de mais de 107,3 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 14.718 pessoas dos 774.889 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS