Índios brasileiros temem vitória de Bolsonaro

Índios brasileiros temem vitória de Bolsonaro

Os dirigentes índigenas brasileiras temem a vitória do candidato populista Jair Bolsonaro, que tem defendido o desmatamento da Amazónia e o fim dos direitos especiais das comunidades locais.

Em entrevista à Lusa, Cleber Buzatto, secretário-executivo do Conselho Indigenista Missionário, uma organização da Igreja Católica, explicou que os líderes índios têm mostrado a sua preocupação com a subida de Bolsonaro nas sondagens, o favorito com 35 por cento dos votos.

“Todos os indicadores apontam que caso [Bolsonaro] venha a ganhar a eleição os povos indígenas serão duramente afetados, duramente atacados, duramente agredidos justo com seus aliados”, afirmou.

Cleber Buzatto argumentou que as manifestações do candidato de extrema-direita em diferentes ocasiões sobre o tema indígena mostram que Bolsonaro é contra as leis de proteção destas comunidades na Constituição do Brasil.

Entre “estas afirmações está, por exemplo, a [promessa] de que se ele for eleito não vai demarcar nenhum centímetro a mais de terras indígenas no país”, apesar de existirem “800 procedimentos de demarcação de terra indígena” por decidir pelo governo.

Segundo o secretário-executivo da organização católica, um dos riscos da política de Bolsonaro é a sua ligação a deputados ligados ao agronegócio, um setor que há décadas atua no Congresso para diminuir a política de proteção dos índios brasileiros.

“O tema indígena tende a ser bastante prioritário numa eventual gestão Bolsonaro porque o leque de alianças que ele já formou comporta grupos económicos que aderiram à sua candidatura. A adesão da Frente Parlamentar Agropecuária, a chamada bancada ruralista, é um indicador de que a demarcação de terras indígenas será um foco”, avaliou.

“É muito evidente que uma vitória do Jair Bolsonaro seria de todas [as campanhas que concorrem] a mais prejudicial. Sua eventual vitória é a que mais preocupa os povos indígenas e seus aliados”, concluiu.

Bolsonaro, do Partido Social Liberal (PSL), lidera as presidenciais com 35% das intenções de voto, 13 pontos percentuais frente do seu rival imediato, o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) Fernando Haddad, que tem 22% da preferência dos eleitores.

O Brasil realiza no domingo eleições presidenciais, para o parlamento (Câmara dos Deputados e Senado) e para representantes de governos regionais.

Se nenhum candidato à Presidência superar 50% dos votos válidos haverá uma segunda volta no dia 28 de outubro.

CYR // PJA

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Índios brasileiros temem vitória de Bolsonaro

Os dirigentes índigenas brasileiras temem a vitória do candidato populista Jair Bolsonaro, que tem defendido o desmatamento da Amazónia e o fim dos direitos especiais das comunidades locais.