Hospital Santa Maria integra projeto para testar técnica inovadora de radioterapia

Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) vai integrar um projeto europeu para testar a aplicação clínica de uma técnica inovadora, denominada “radioterapia Flash”, em doentes com cancro de pele.

Hospital Santa Maria integra projeto para testar técnica inovadora de radioterapia

Hospital Santa Maria integra projeto para testar técnica inovadora de radioterapia

Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) vai integrar um projeto europeu para testar a aplicação clínica de uma técnica inovadora, denominada “radioterapia Flash”, em doentes com cancro de pele.

A “radioterapia Flash” permite realizar apenas uma sessão de tratamento em cada doente, refere em comunicado o CHULN, constituído pelos hospitais Santa Maria e Pulido Valente, o único centro hospitalar português a integrar o consórcio internacional FLASHKNiFE. Com um orçamento total de 8,2 milhões de euros, o consórcio internacional pretende introduzir na prática clínica o novo equipamento de radioterapia que se distingue pela possibilidade de utilizar tecnologia Flash, permitindo uma “resposta radiobiológica inovadora”.

Para ler também
Champô vendido em Portugal retirado do mercado por ordem do Infarmed
A autoridade nacional do medicamente (Infarmed) ordenou hoje a retirada do mercado de três lotes de um champô vendido em Portugal por estarem em “situação irregular” (… continue a ler aqui)

Para promover a aplicação clínica da radioterapia Flash, o Consórcio irá realizar a partir de 2023 um ensaio clínico multicêntrico em cancro da pele. Mais de 10 milhões de doentes são tratados anualmente em todo o mundo com recurso à radioterapia, uma ferramenta essencial para o tratamento do cancro, juntamente com a cirurgia e a quimioterapia.

No entanto, 30% a 40% dos doentes tratados são resistentes à radioterapia e os efeitos colaterais induzidos pela radiação limitam a dose de radiação administrada no tumor. “O conceito da tecnologia Flash permite administrar uma elevada dose de radiação em microsegundos (400 vezes mais rápida do que a irradiação convencional), e observou-se redução da toxicidade em estudo pré-clinicos, sendo uma arma mais eficiente no tratamento do cancro”, salienta o centro hospitalar.

O consórcio, cofinanciado pelo Instituto Europeu de Inovação & Tecnologia para a Saúde (EIT Health) e pelas instituições parceiras, está a desenvolver e testar um novo acelerador que pretende solucionar este desafio utilizando a radioterapia Flash. “Este projeto da EIT Health tem vários fatores aliciantes que levaram à participação do CHULN, uma vez que reúne simultaneamente uma inovação biológica, uma inovação tecnológica, o FLASKNiFE, e capacidade de aplicar este tratamento de vanguarda para o paciente”, destaca a diretora do Serviço de Radioterapia do CHULN, Filomena Pina, citada no comunicado.

O Consórcio reúne instituições de grande relevo em toda a Europa, as quais trabalharão nos próximos três anos para atingir este objetivo: PMB, Alcen, Institut Gustave Roussy, Centro Hospitalar Lisboa Norte, Universitätsklinikum Erlangen e ProductLife Group.

Impala Instagram


RELACIONADOS