Greve inédita mobiliza até 100 mil enfermeiros no Reino Unido

Uma greve inédita por melhores condições salariais está hoje a mobilizar até 100 mil enfermeiros no Reino Unido em protesto contra o impacto do aumento do custo de vida, segundo estimativas do sindicato do setor.

Greve inédita mobiliza até 100 mil enfermeiros no Reino Unido

Greve inédita mobiliza até 100 mil enfermeiros no Reino Unido

Uma greve inédita por melhores condições salariais está hoje a mobilizar até 100 mil enfermeiros no Reino Unido em protesto contra o impacto do aumento do custo de vida, segundo estimativas do sindicato do setor.

A paralisação foi convocada pelo sindicato Royal College of Nursing (RCN), a primeira em 106 anos de história, para exigir um aumento salarial de 19% para compensar uma perda de poder de compra em 20% desde 2010. O Governo britânico considera este valor “incomportável” e dispôs-se a cumprir a proposta de um organismo independente de revisão da remuneração no serviço de saúde público (NHS, na sigla em inglês), que apontava para um aumento de 4,75%.

Para ler depois
Sindicato convoca greve de professores para todo o mês de janeiro
O Sindicato de Todos os Professores (S.TO.P) decretou greve para todo o mês de janeiro de 2023, como forma de protesto pelas últimas decisões do Governo, nomeadamente a transferência da Educação para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (… continue a ler aqui)

A greve foi anunciada em 53 unidades de saúde em Inglaterra, cerca de 25% do total, 12 no País de Gales e 11 na Irlanda do Norte, mas em algumas regiões não teve o apoio da maioria dos filiados do RCN. Na Escócia, a greve não se realizou porque o RCN chegou a um acordo para aumentos salariais. Nem o RCN nem o Ministério da Saúde britânico responderam ao pedido de dados sobre a participação concreta e impacto da greve.

A secretária de Estado da Saúde, Maria Caulfield, que no passado também exerceu a profissão de enfermeira, disse à estação britânica Sky News que até 70 mil consultas e operações poderão ser canceladas hoje. Porém, o sindicato garantiu que alguns serviços estão protegidos, como emergências e cuidados intensivos, bem como tratamentos de quimioterapia e diálise.

Uma sondagem da empresa Ipsos publicada na quarta-feira indicava que 52% dos britânicos apoiam as greves dos funcionários do serviço de saúde público, cujo acesso universal e gratuito é bastante valorizado. Na memória dos britânicos está ainda o papel e dedicação dos profissionais de saúde durante a pandemia de covid-19.

“Estamos convosco”, afirma na manchete o tabloide Daily Mirror, conotado com a esquerda, aos enfermeiros, enquanto o Daily Express, de direita, também mostra apoio, colocando na primeira página a frase: “Cheguem a acordo com os enfermeiros e acabem com esta loucura”.

Impala Instagram


RELACIONADOS