Greve cirúrgica de enfermeiros é medida extrema mas condições são inadmissíveis

Greve cirúrgica de enfermeiros é medida extrema mas condições são inadmissíveis

Dois sindicatos de enfermeiros convocaram uma greve a partir de dia 22 de novembro, e com duração superior a um mês, que incide em cinco blocos operatórios de grandes hospitais.

Lisboa, 16 nov (Lusa) — A bastonário da Ordem dos Enfermeiros admite que a greve prolongada em blocos operatórios, agendada para a próxima semana, é uma “medida extrema”, mas lembra que os profissionais trabalham em condições inadmissíveis.

“É verdade que é uma greve completamente atípica e que nunca se fez em Portugal. Mas é atípica porque os enfermeiros chegaram a uma situação completamente atípica. O que é agressivo é o que se passa com os enfermeiros e as suas condições de trabalho”, afirma, em declarações à Lusa, a bastonária, Ana Rita Cavaco, numa referência às declarações da ministra da Saúde, que considerou esta paralisação uma “extraordinariamente agressiva forma de luta”.

Dois sindicatos de enfermeiros convocaram uma greve a partir de dia 22 de novembro, e com duração superior a um mês, que incide em cinco blocos operatórios de grandes hospitais, uma ideia de paralisação que partiu inicialmente de um movimento de enfermeiros e que recolheu já mais de 350 mil euros num fundo destinado a compensar os profissionais que ficarão sem salário. Os enfermeiros reclamam nomeadamente melhores remunerações e uma carreira digna, notando que não progridem há 13 anos.

A bastonária dos Enfermeiros considera que os profissionais foram “encostados à parede de uma maneira extremamente agressiva”, reagindo com as “armas que têm ao seu dispor, através dos sindicatos”.

“Chegámos a esta situação por vários motivos, mas não tem a ver com dinheiro. Era isso que gostava que as pessoas compreendessem”, refere Ana Rita Cavaco, frisando que os enfermeiros continuam com a sua situação congelada desde 2005, têm reformas tardias, não têm reconhecida a sua categoria de especialista e trabalham em serviços desfalcados.

A representante dos enfermeiros sublinha ainda que um enfermeiro leva para casa 980 euros líquidos por mês, tenha um ou 20 anos de carreira. Também a carga de trabalho é um problema transversal, com profissionais que trabalham “o dobro ou o triplo das horas que estão no contrato”.

E essas horas a mais não são pagas, recorda a bastonária, indicando que os hospitais devem “milhares de horas” aos enfermeiros, que acumulam folgas pelas horas a mais que acabam por não conseguir gozar:

“Se tirassem as folgas [correspondentes a essas horas], os hospitais tinham todos de fechar portas, porque são milhares de horas em dívida”.

Ana Rita Cavaco afirma que recebe com frequência na Ordem horários de profissionais que trabalham 60 horas em vez das 35: “Isto é que é agressivo e não se pode permitir”.

Outra das reclamações frequentes nos enfermeiros prende-se com o rácio de profissionais, com serviços por vezes assegurados apenas por um enfermeiro por turno, com 20, 30 ou 40 camas a seu cargo.

“Toda a gente percebe que um enfermeiro sozinho não consegue lidar com 20 doentes, quanto mais com 40. Não podemos ter hospitais como Cascais, Covilhã ou o Psiquiátrico de Lisboa em que o número de enfermeiros é tão baixo que qualquer dia nem está lá enfermeiro nenhum e as pessoas ficam entregues a si próprias”, afirma a bastonária.

Sobre os efeitos da greve cirúrgica em cinco blocos operatórios de grandes hospitais, Ana Rita Cavaco diz entender as preocupações que possam existir na sociedade, mas recorda que não tem de haver receios em relação a situações urgentes, porque há nesta paralisação serviços mínimos, como em todas as outras.

Muitas cirurgias serão adiadas com esta greve, incluindo oncológicas, desde que não sejam operações consideradas urgentes. Ou seja, a paralisação irá afetar as cirurgias que estão programadas.

“Se estão preocupados com a greve cirúrgica dos enfermeiros, nós compreendemos, é de facto uma medida extrema. Mas em Portugal temos de fazer uma reflexão muito grande sobre os tempos de espera cirúrgicos, que são inadmissíveis. O que me preocupa, e que não quero, é viver num país onde há cirurgias oncológicas e outras que esperam entre um mês e dois anos. Isto já é uma realidade em Portugal”, lamenta a bastonária.

Outra das características inovadoras desta greve, além da duração prolongada, é ter surgido inicialmente de um movimento independente de enfermeiros que constitui um fundo aberto à contribuição de todos para financiar e apoiar os profissionais que vão paralisar e ficar sem salário.

Acerca desta forma de financiamento, que recolheu mais de 350 mil euros até hoje, a bastonária considera que é “um sinal positivo” perceber que há muita gente que “quer que os enfermeiros tenham condições para trabalhar”:

“Olhando para as condições dos nossos colegas não custa nada a acreditar que houve uma participação em massa de todos os enfermeiros, mas também de amigos e familiares (…). Não querem acreditar que os enfermeiros que cuidam deles chegaram hoje à situação a que chegaram”.

A bastonária teme que os enfermeiros estejam neste momento “num beco sem saída”, em que a conquista de um défice zero no país “tem de ser conseguido à custa das não negociações” no setor da saúde.

Mas ainda assim acredita que o Governo “tem condições para negociar uma carreira com os enfermeiros” e resolver pelo menos os problemas mais complexos nos hospitais.

O pré-aviso da greve que começa na próxima semana abrange todos os enfermeiros do Centro Hospitalar Universitário de S. João, Centro Hospitalar Universitário do Porto, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte e Centro Hospitalar de Setúbal.

ARP // HB

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Greve cirúrgica de enfermeiros é medida extrema mas condições são inadmissíveis

Dois sindicatos de enfermeiros convocaram uma greve a partir de dia 22 de novembro, e com duração superior a um mês, que incide em cinco blocos operatórios de grandes hospitais.