Governo japonês anuncia balanço provisório de 199 mortos

Governo japonês anuncia balanço provisório de 199 mortos

Pelo menos 199 pessoas morreram no oeste do Japão, na sequência de inundações e aluimentos de terras ocorridos na zona, anunciou o porta-voz do Governo japonês.

Tóquio, 12 jul (Lusa) – Pelo menos 199 pessoas morreram no oeste do Japão, na sequência de inundações e aluimentos de terras ocorridos na zona, anunciou hoje o porta-voz do Governo japonês.


O primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, ordenou ações rápidas para acudir aos afetados, precisou Yoshihide Suga, num encontro com a imprensa, no final da reunião de célula de crise.


Um anterior balanço referia pelo menos 179 mortos.


Abe, que anulou uma deslocação a quatro países, incluindo a Bélgica e a França, visitou na quarta-feira a província de Okayama, uma das mais atingidas juntamente com a de Hiroshima. Na sexta-feira, o chefe do Governo tem prevista uma nova deslocação a outra zona afetada.


Shinzo Abe não prestou declarações, mas reuniu-se em privado com alguns habitantes.


Além dos 199 mortos confirmados, as autoridades referiram desconhecer o paradeiro de várias dezenas de pessoas, enquanto os meios de comunicação social indicaram que cerca de 60 pessoas estão desaparecidas.


O pesado balanço, ainda provisório, da mais grava catástrofe meteorológica desde 1982, levantou a questão dos métodos de avaliação do perigo, reconheceu o Governo, fortemente criticado pela oposição pela gestão da crise considerada tardia.


“Temos vistos nestes últimos anos desastres relacionados com a chuva cada vez mais mortíferos. Devemos rever o que o Governo pode fazer para reduzir os riscos”, tinha indicado Suga na quarta-feira à tarde.


Milhares de residentes estão atualmente em abrigos públicos, enquanto outros foram acolhidos por familiares.



EJ // FST

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Governo japonês anuncia balanço provisório de 199 mortos

Pelo menos 199 pessoas morreram no oeste do Japão, na sequência de inundações e aluimentos de terras ocorridos na zona, anunciou o porta-voz do Governo japonês.