Governo diz que rejeitar inscrições de utentes nos centros de saúde é uma irresponsabilidade

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, disse hoje desconhecer que haja centros de saúde a rejeitar novas inscrições de utentes, afirmando que se isso aconteceu “é uma irresponsabilidade e deve ser comunicado”.

Governo diz que rejeitar inscrições de utentes nos centros de saúde é uma irresponsabilidade

Governo diz que rejeitar inscrições de utentes nos centros de saúde é uma irresponsabilidade

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, disse hoje desconhecer que haja centros de saúde a rejeitar novas inscrições de utentes, afirmando que se isso aconteceu “é uma irresponsabilidade e deve ser comunicado”.

O Jornal de Notícias avança na edição de hoje que muitas unidades de saúde familiar atingiram o limite de utentes e estão a rejeitar novas inscrições, noticiando ainda que os utentes vão passar a saber quais os centros de saúde onde há vagas nas listas dos médicos de família.

Questionado sobre esta situação à margem do Lançamento da Semana Internacional e Europeia do Teste, que está a decorrer em Lisboa, o governante disse não ter conhecimento de que alguém tenha sido rejeitado, frisando que “se isso aconteceu é uma irresponsabilidade e deve ser comunicado”.

“Portanto, não se trata de rejeitar ninguém, ninguém pode ser rejeitado, o que pode acontecer é não ser logo atribuído o médico de família, agora rejeitado garantidamente que não”, vincou Lacerda Sales.

Entretanto e em resposta à agência Lusa a propósito da mesma notícia, o Ministério da Saúde diz desconhecer estes casos e insiste que todo cidadão tem direito à inscrição no Regional Nacional de Utentes.

Recorda que a inscrição de novos utentes ocorre com a atribuição de médico de família logo após o nascimento; através da integração no cartão do cidadão, aquando do pedido de requisição, ou nas unidades dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) “onde o utente se pretende inscrever”.

Lembra ainda que, quando não há possibilidade de atribuição de médico de família, o utente fica inscrito numa lista de espera do ACES [Agrupamento de Centros de Saúde] e pode manifestar a opção pela unidade onde pretende vir a ter médico de família, sendo que a inscrição é feita “no secretariado clínico de qualquer unidade funcional do ACES ou no gabinete do cidadão”.

A inscrição do utente, embora deva ser efetuada “preferencialmente numa unidade funcional (USF/UCSP) da área da residência”, pode, por escolha do utente, “ser efetuada em unidade funcional situada fora da sua área de residência”.

Segundo escreve o JN, para os utentes sem médico de família, que em setembro eram mais de um milhão, os ACES “vão publicitar os serviços mínimos prestados” para que o utente possa escolher qual a unidade onde pretende inscrever-se.

Já de acordo com Lacerda Sales, há uma plataforma que pode ser consultada por todas as pessoas, para que possam perceber quais os centros de saúde, quer da área de residência, quer periféricos, onde eventualmente possa haver disponibilidade para médico de família ou para consulta.

“Isso é o que há de novo agora rejeitados não, ninguém é rejeitado para se inscrever no Serviço Nacional de Saúde como é óbvio”, reiterou.

Segundo o Jornal de Notícias, a carência de médicos de família, aliada à pressão dos novos inscritos – mais 380 mil, segundo adiantou, na sexta-feira passada, a ministra da Saúde – está a causar grandes dificuldades a quem pretende inscrever-se ou mudar de centro de saúde.

HN/SO // ZO

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS