Rock in Rio novamente isento de taxas nas duas próximas edições em Lisboa

Assembleia Municipal de Lisboa aprova que a organização do Rock in Rio fica novamente isenta do pagamento de taxas, no valor de 3 Milhões de euros em 2020 e 2022.

Rock in Rio novamente isento de taxas nas duas próximas edições em Lisboa

Rock in Rio novamente isento de taxas nas duas próximas edições em Lisboa

Assembleia Municipal de Lisboa aprova que a organização do Rock in Rio fica novamente isenta do pagamento de taxas, no valor de 3 Milhões de euros em 2020 e 2022.

A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou hoje que a organização do Rock in Rio fica novamente isenta do pagamento de taxas, no valor de 3 milhões de euros, pela realização das edições de 2020 e de 2022 do festival. A proposta da autarquia foi aprovada na sessão plenária com os votos contra do PCP, PEV, BE, PAN e três deputados independentes, a abstenção de cinco deputados independentes e do PS, e os votos favoráveis dos restantes partidos (PS, PSD, PPM, CDS-PP e MPT) e deputados independentes (2).

LEIA DEPOIS
Bebé belga que sofre da mesma doença que Matilde gera onda de solidariedade

Rock in Rio «promove e divulga o nome e a imagem da cidade de Lisboa»

O documento, assinado pelo vereador do Ambiente, José Sá Fernandes (independente, eleito pelo PS), destaca que o festival tem um papel relevante na «promoção e divulgação do nome e da imagem da cidade de Lisboa e de Portugal», sendo que na edição de 2018 «foram publicadas mais de oito mil notícias nacionais em 70 em meios internacionais de relevo, como o The Telegraph e o Independent». «As nona e décima edições do Rock in Rio Lisboa têm, assim, entre os seus principais objetivos, a promoção e a divulgação do nome e da imagem da cidade de Lisboa e de Portugal, sempre alinhada com a agenda do município no ano de Lisboa Capital Verde Europeia 2020 e com a agenda de Lisboa Capital do Desporto 2021», acrescenta a proposta. Intervindo na sessão, o deputado do PCP Modesto Navarro criticou esta isenção de taxas, assim como o independente Rui Costa, que defendeu a necessidade de um regulamento municipal onde estejam previstas estas isenções.

Segunda derrota para PCP, BE e PEV

Na sessão, os eleitos municipais aprovaram também, por maioria, a transferência de competências no domínio da Saúde para a autarquia. PCP, BE e PEV apresentaram propostas alternativas, que acabaram por ser chumbadas, que visavam a recusa das competências na área da saúde.

LEIA MAIS
Previsão do tempo para quarta-feira, 18 de setembro
Legislativas: Saiba como aderir ao voto antecipado

Impala Instagram


RELACIONADOS