Fernão de Magalhães ficaria incomodado com poluição do mar, diz enviado da ONU

O enviado especial das Nações Unidas para os Oceanos, Peter Thomson, afirmou hoje que o navegador português Fernão de Magalhães, se viajasse à atualidade, ficaria incomodado e preocupado com o nível de poluição no planeta.

Fernão de Magalhães ficaria incomodado com poluição do mar, diz enviado da ONU

Fernão de Magalhães ficaria incomodado com poluição do mar, diz enviado da ONU

O enviado especial das Nações Unidas para os Oceanos, Peter Thomson, afirmou hoje que o navegador português Fernão de Magalhães, se viajasse à atualidade, ficaria incomodado e preocupado com o nível de poluição no planeta.

“Fernão de Magalhães mostrou que o mundo é redondo, que há um único oceano e que estamos todos ligados. Acho que é a lição essencial da viagem. [Se vivesse na atualidade] ficaria incomodado com a poluição, estaria preocupado com a pesca ilegal, com a sobrepesca. É uma coisa que podemos resolver de forma rápida”, afirmou Peter Thomson à agência Lusa, à margem da abertura da conferência internacional Dia Europeu Marítimo (European Maritime Day), em Lisboa.

Diplomata e antigo presidente da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), entre 2016 e 2017, Peter Thomson foi nomeado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, enviado especial para os Oceanos.

Thomson considera que os 500 anos da viagem de circum-navegação devem ser celebrados a nível global, e não apenas por Portugal e Espanha, que repartem um extenso programa alusivo à viagem iniciada por Fernão de Magalhães e concluída pelo navegador espanhol Juan Sebastián Elcano.

E a forma de celebrar essa conquista global dos oceanos passa, no entender de Peter Thomson, por cada cidadão e não apenas por tomadas de posição de decisores políticos.

“Se tivéssemos tido visão na altura [há 500 anos] para perceber o que faríamos ao planeta, sobretudo depois da revolução industrial, poderíamos ter evitado toda esta imundície que pusemos sobre nós. Temos 12 anos para resolver isto, e a coisa mais inteligente que devemos fazer – e julgo que Fernão de Magalhães concordaria – é cortar as emissões de gases de efeito de estufa”, disse.

“Todos os cidadãos podem fazer grandes mudanças e com impacto”, sublinhou.

O European Maritime Day, que Lisboa acolhe, é um evento promovido desde 2008 pela Direção-Geral dos Assuntos Marítimos e das Pescas da Comissão Europeia, e é apresentado como a “WebSummit do Mar”.

Este ano, a conferência é centrada no empreendedorismo, na investigação, na inovação e no investimento.

A conferência relaciona-se ainda com as celebrações dos 500 anos da circum-navegação do planeta.

Na Gare Marítima de Alcântara, um dos locais da conferência internacional, está patente uma exposição alusiva à viagem idealizada por Fernão de Magalhães.

SS // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS