Exposição sobre rainha Maria II no Palácio da Ajuda prolongada até final de outubro

A exposição “D. Maria II. De princesa brasileira a rainha de Portugal. 1819-1853”, inaugurada em maio no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, foi prolongada até final de outubro, anunciou hoje a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Exposição sobre rainha Maria II no Palácio da Ajuda prolongada até final de outubro

Exposição sobre rainha Maria II no Palácio da Ajuda prolongada até final de outubro

A exposição “D. Maria II. De princesa brasileira a rainha de Portugal. 1819-1853”, inaugurada em maio no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, foi prolongada até final de outubro, anunciou hoje a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

A mostra, que inicialmente estaria patente na galeria Rei D. Luís, até ao final deste mês, foi prolongada até 31 de outubro, de acordo com a DGPC num comunicado hoje divulgado.

“D. Maria II. De princesa brasileira a rainha de Portugal. 1819-1853” é organizada em parceria pelos museus do palácio da Ajuda e da Presidência da República, sendo comissariada pelo professor no Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa José Miguel Sardica.

Maria II, recordava a organização na altura em que exposição foi anunciada, foi a última mulher a ocupar a chefia do Estado, tendo reinado em duas fases distintas, de 1826 a 1828, quando é desapossada do trono pelo seu tio, e de 1834 a 1853.

“Durante esses anos, Portugal passou do Absolutismo ao Constitucionalismo, registando grandes transformações sociais, económicas e culturais no país”, salientou na altura a organização.

Maria II foi a única monarca europeia nascida fora da Europa, filha do príncipe Pedro, primeiro imperador do Brasil, e da sua mulher, a arquiduquesa Maria Leopoldina.

Maria II sucedeu ao seu pai, Pedro IV (I do Brasil), que dele abdicou por insistência de vários setores da sociedade brasileira. O Brasil tornara-se uma nação independente em 1822 e não queria voltar a sentir-se unido, pela coroa, à antiga potência colonizadora.

A mostra inclui “várias centenas de peças e documentos reunidos […] vindas de diversos museus nacionais, autarquias, colecionadores privados e do Governo Regional dos Açores”, tendo muitas delas sido “restauradas propositadamente” para esta exposição.

Entre as diversas peças expostas, o palácio destaca as “várias joias pessoais de D. Maria II e a coroa real portuguesa que há mais de duas décadas não é exposta ao público”.

A coroa portuguesa esteve exposta em 1991, na exposição “Joias e Tesouros da Casa Real Portuguesa”, no Palácio da Ajuda, coordenada pela então diretora Isabel Silveira Godinho.

JRS (NL) // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS