Exportação de petróleo de Angola em janeiro cai para valor mais baixo desde 2008

Angola deverá reduzir exportações de petróleo para 1,145 milhões de barris por dia em janeiro, de acordo com plano preliminar de cargas, o volume mais baixo desde janeiro de 2008.

Exportação de petróleo de Angola em janeiro cai para valor mais baixo desde 2008

Exportação de petróleo de Angola em janeiro cai para valor mais baixo desde 2008

Angola deverá reduzir exportações de petróleo para 1,145 milhões de barris por dia em janeiro, de acordo com plano preliminar de cargas, o volume mais baixo desde janeiro de 2008.

Londres, 19 nov 2020 (Lusa) – Angola deverá reduzir as exportações de petróleo para 1,145 milhões de barris por dia em janeiro, de acordo com o plano preliminar de cargas, o que representa o volume mais baixo desde, pelo menos, janeiro de 2008.

De acordo com o plano preliminar de transporte, divulgado pela agência de informação financeira Bloomberg, Angola deverá registar uma queda face aos 1,177 milhões de barris diários previsto para serem transportados em dezembro, comprovando a descida na produção de petróleo e agravando o impacto nas contas públicas do segundo maior produtor na África subsaariana.

No total, Angola deverá exportar 35,5 milhões de barris em janeiro, se o programa de carregamentos se mantiver inalterado até lá.

Na quarta-feira, o diretor da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG) angolana anunciou que o seu programa de relançamento da atividade de exploração petrolífera “foi protelado” pela covid-19, assumindo que, em 2020, as atividades exploratórias “estão tímidas”.

“De forma geral, os planos que tínhamos de relançamento da atividade de exploração foram protelados para os anos posteriores, uma vez que a pandemia veio impor algumas variáveis não antecipadas em que todos os intervenientes tiveram de reajustar os seus planos”, afirmou hoje o diretor do gabinete de Planeamento Estratégico da ANPG, Alcides Andrade.

O responsável, que falava num ‘webinar’ sobre “O Ciclo de um Projeto Petrolífero”, em Luanda, reconheceu que as atividades exploratórias em 2020 “estão tímidas, por causa da pandemia, estando relançadas para os anos que se seguem”.

 “Foi um pouco ajustado face àquela que era a nossa perspetiva em 2019”, disse, recordando que os desafios do setor petrolífero tiveram um acento tónico em 2014, ano em que se registou a queda brusca do preço do barril de petróleo.

Esta queda do preço do barril de petróleo, maior suporte da economia angolana, em 2014, trouxe várias implicações para a condição socioeconómica do país, entre as quais uma crise financeira e cambial e o prolongamento da recessão económica pelo quinto ano consecutivo em 2020.

MBA (DYAS) // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS