Escassez de medicamentos nas farmácias provoca preocupação em França

A falta de alguns medicamentos nas farmácias em França tem-se agravado, atingindo agora alguns antibióticos e levando as autoridades de saúde a tomarem medidas de emergência, uma situação que está a preocupar os especialistas.

Escassez de medicamentos nas farmácias provoca preocupação em França

Escassez de medicamentos nas farmácias provoca preocupação em França

A falta de alguns medicamentos nas farmácias em França tem-se agravado, atingindo agora alguns antibióticos e levando as autoridades de saúde a tomarem medidas de emergência, uma situação que está a preocupar os especialistas.

“Hoje, a escassez de antibióticos essenciais está chegar aos nossos países”, disse o pediatra Rémi Salomon, presidente da comissão médica dos Hospitais de Paris (AP-HP) na noite de quinta-feira, na rede social Twitter.

O principal antibiótico em falta é a amoxicilina, que é, de longe, o principal antibiótico prescrito para crianças em França para combater uma série de infeções bacterianas, como certas infeções do ouvido e pneumonias.

O medicamento está a passar por “fortes tensões de fornecimento” na sua forma mais usada em crianças, observou hoje a agência pública de medicamentos francesa (ANSM), sublinhando que esta é uma situação que pode durar até março.

Portanto, pode ser difícil encontrar esse tratamento nas farmácias, um fenómeno que está longe de ser exclusivo de França, pois afeta a maioria dos países europeus, os Estados Unidos e o Canadá.

O que está em causa, segundo as autoridades de saúde, é um aumento da procura, após vários anos marcados pela crise da covid-19 e múltiplas restrições sanitárias que reduziram a propagação de várias doenças.

“As reservas não estavam ao nível habitual” e “as linhas de produção devem ser reiniciadas”, defendeu a ANSM durante uma conferência de imprensa.

As autoridades francesas tomaram uma série de medidas de emergência, incluindo o racionamento, que limita a quantidade que cada farmácia pode encomendar. Também pediram aos médicos e pacientes que usem esses antibióticos apenas se necessário.

Este risco de escassez insere-se num contexto mais amplo em que as autoridades já foram obrigadas nos últimos meses a restringir o uso de determinados medicamentos.

O caso mais emblemático é o do paracetamol, um analgésico omnipresente. As autoridades recomendaram que os farmacêuticos não vendessem mais de duas caixas por paciente, apesar das garantias dos fabricantes de que não faltaria.

As preocupações com a escassez remontam à década anterior, ainda que a situação possa ter piorado no contexto da inflação e da eclosão das tensões geopolíticas com a guerra na Ucrânia.

“Desde 2008, as situações de escassez das reservas e tensões de abastecimento avançam de forma preocupante em França, mas também nos Estados Unidos e noutros países do mundo”, notava já em 2019 a empresa Leem, um ‘lobby’ francês do setor.

Neste contexto, as medidas anunciadas pelas autoridades francesas não convencem todos os observadores, com alguns a considerarem desadequado insistir tanto na responsabilidade de doentes e médicos.

O governo, por sua vez, destaca que já existem vários incentivos financeiros para os fabricantes de medicamentos encaminharem a sua produção para França. Também insiste no facto de que a lei apertou recentemente as obrigações dos fabricantes diante da escassez, determinando que têm que constituir reservas mínimas para determinados tratamentos.

Ainda assim, no caso da amoxicilina, algumas de cujas matérias-primas são produzidas fora da Europa, estas obrigações só poderiam “amortizar o choque”, nas palavras da ANSM.

“Não é suficiente, neste caso, para poder evitar o risco de rutura”, admitiu hoje a agência.

CSR // APN

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS