Enfermeiros sublinham oportunidade para Pizarro corrigir erro histórico nas carreiras

A nomeação de Manuel Pizarro para ministro da Saúde não traz qualquer expectativa aos enfermeiros, que não esquecem que foi responsável pelo fim da carreira pela qual agora lutam, defendendo que tem uma “oportunidade de corrigir esse erro histórico”.

Enfermeiros sublinham oportunidade para Pizarro corrigir erro histórico nas carreiras

Enfermeiros sublinham oportunidade para Pizarro corrigir erro histórico nas carreiras

A nomeação de Manuel Pizarro para ministro da Saúde não traz qualquer expectativa aos enfermeiros, que não esquecem que foi responsável pelo fim da carreira pela qual agora lutam, defendendo que tem uma “oportunidade de corrigir esse erro histórico”.

“Há dois mandatos que estamos na Ordem [dos Enfermeiros], desde 2016, e isso significa que estamos a assistir à nomeação do terceiro ministro. E tivemos sempre muitas expectativas nas outras situações, positivas, e neste momento não achamos nada. Queremos saber e ver o que quererá fazer o novo ministro da Saúde. Estamos um bocadinho ‘ver para crer’ em relação ao SNS, àquilo que são as questões dos enfermeiros e das condições de trabalho e carreira dos enfermeiros”, disse à Lusa a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco.

Ainda que sem expectativas para o mandato, os enfermeiros afirmam que Manuel Pizarro foi responsável, enquanto secretário de Estado Adjunto e da Saúde no Governo socialista de José Sócrates, pelo fim da carreira com as condições pelas quais os enfermeiros agora lutam, como a valorização dos graus académicos e títulos profissionais, progressão e idade de reforma mais baixa, entre outros aspetos.

“Este é o único ponto em que achamos que o senhor ministro terá aqui uma oportunidade de corrigir esse erro histórico e temos sempre oportunidade de voltar atrás. Em relação ao resto, a Ordem dos Enfermeiros vai continuar a colaborar, como sempre fez, e a dialogar com toda a gente e, portanto, estamos cá, disponíveis, para ouvir e para trabalhar em conjunto”, disse à Lusa Ana Rita Cavaco.

O primeiro-ministro, António Costa, propôs ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a nomeação do eurodeputado socialista Manuel Pizarro para o cargo de ministro da Saúde, em substituição de Marta Temido.

“Na sequência da proposta do primeiro-ministro, o Presidente da República conferirá posse sábado, ao novo ministro da Saúde, Manuel Francisco Pizarro de Sampaio e Castro, pelas 18:00, no Palácio de Belém”, lê-se numa nota publicada na página oficial da Presidência da República.

Manuel Pizarro foi secretário de Estado da Saúde no segundo executivo liderado por José Sócrates, tendo como ministra Ana Jorge.

Marta Temido, de 48 anos, pediu a demissão de ministra da Saúde no passado dia 30 de agosto, mas António Costa pediu-lhe para se manter em funções mais algumas semanas até concluir a aprovação do diploma que regulamenta o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Esse diploma foi aprovado em Conselho de Ministros e apresentado pela própria Marta Temido na quinta-feira.

Natural de Coimbra, Marta Temido é ministra da Saúde desde outubro de 2018, altura em que substituiu nessas funções Adalberto Campos Fernandes.

IMA (PMF) // HB

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS