Empresário e político apontado como mentor do homicídio de Marielle Franco

Político, que até agora era testemunha no processo,”planeava a divulgação de uma notícia falsa sobre os responsáveis pelo homicídio”.

Empresário e político apontado como mentor do homicídio de Marielle Franco

Empresário e político apontado como mentor do homicídio de Marielle Franco

Político, que até agora era testemunha no processo,”planeava a divulgação de uma notícia falsa sobre os responsáveis pelo homicídio”.

A Procuradoria Geral da República do Brasil apontou o empresário e político Domingos Brazão mentor dos homicídios da vereadora e ativista Marielle Franco e do seu motorista, noticiou na passada sexta-feira o portal de notícias UOL.

LEIA DEPOIS
Bebé nasce sem pénis e sem ânus. Gravidez foi seguida pelo obstetra Artur Carvalho

De acordo com documentos do Ministério Público, os procuradores enviaram o nome de Brazão ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), o segundo tribunal hierárquico do país.

Brazão procurou testemunhas para desviar atenções

De acordo com um documento citado pelo UOL, Brazão, que até agora era testemunha no processo, foi o “arquiteto” do crime cometido sobre a vereadora e, “visando permanecer impune, planeava a divulgação de uma notícia falsa sobre os responsáveis pelo homicídio”.

O documento foi assinado pelo ex-procuradora-geral Raquel Dodge antes de deixar o cargo em setembro e foi a primeira vez que uma autoridade se pronunciou sobre o suposto autor intelectual do crime, após um ano e meio de investigações.

Segundo Dodge, Brazão e quatro outras pessoas procuraram testemunhas para fornecer informações falsas para “obstruir” e “desviar” as investigações realizadas pela Polícia Civil do Rio de Janeiro e que poderiam identificar o empresário e deputado regional “como mentor intelectual do crime”.

Em 3 de outubro, quatro novos suspeitos de terem participado no assassínio da vereadora e do seu motorista foram detidos pelas autoridades, incluindo a mulher e o cunhado do polícia acusado de disparar contra o ativista. Em março, um ano após o homicídio, os ex-policias Ronnie Lessa e Elcio Vieira de Queiroz foram detidos e formalmente acusados de terem sido os autores materiais do crime.

Lessa, um agente aposentado da Polícia Militar, foi acusado de disparar contra a vereadora e Viera de Queiroz, o motorista.

A mulher de Lessa, Elaine Lessa, e o cunhado, Bruno Figueredo, juntamente com Márcio Montalvo e Josinaldo Freitas, foram detidos no início de outubro, suspeitos de serem cúmplices no desaparecimento de várias armas usadas pelo grupo, incluindo a aquela que foi utilizada para assassinar a ativista.

A 18 de setemebro, a então procuradora-geral da República brasileira já denunciara irregularidades na condução do caso do homicídio de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, no seu último dia na liderança do Ministério Público do país.

Raquel Dodge, que concluiu o mandato de dois anos na liderança do Ministério Público Federal, anunciou ainda à imprensa brasileira que acusou o ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro Domingos Brazão, afastado do cargo, como responsável por impedir o desenvolvimento da investigação.

Marielle Franco, vereadora no Rio de Janeiro pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e defensora dos direitos humanos, e o seu motorista Anderson Gomes, foram assassinados na noite de 14 de março de 2018, quando viajavam de carro pelo centro do Rio de Janeiro, depois de a ativista ter participado num ato político com mulheres negras.

LEIA MAIS

Urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta de novo fechada no fim de semana

Previsão do tempo para domingo, 27 de outubro

Impala Instagram


RELACIONADOS