Direção de Energia aprovou controlo da mina de ferro de Moncorvo pela Aethel

A Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) autorizou o “controlo da mina” de ferro de Torre de Moncorvo, Bragança, pela Aethel Mining, revelou hoje a empresa, que espera colocar Portugal numa “posição de liderança na mineração europeia”.

Direção de Energia aprovou controlo da mina de ferro de Moncorvo pela Aethel

Direção de Energia aprovou controlo da mina de ferro de Moncorvo pela Aethel

A Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) autorizou o “controlo da mina” de ferro de Torre de Moncorvo, Bragança, pela Aethel Mining, revelou hoje a empresa, que espera colocar Portugal numa “posição de liderança na mineração europeia”.

Em comunicado, a Aethel Partners revela que a Aethel Mining Limited, uma “empresa britânica detida exclusivamente” pelo português Ricardo Santos Silva e a americana Aba Schubert, “recebeu aprovação da DGEG para assumir o controlo da mina de Moncorvo”, um “depósito de minério de ferro muito significativo no coração da Europa”.

A Aethel Mining está “muito entusiasmada com o reinício da operação mineira neste ativo histórico, que levará Portugal de volta a uma posição de liderança na mineração europeia”, refere o cofundador da empresa, Ricardo Santos Silva, citado no comunicado.

A empresa diz que os seus acionistas “têm uma longa história de sucesso em investimento em ativos de mineração em todo o mundo” e “uma equipa de engenharia especializada em Portugal preparada para iniciar operações”.

Isto, acrescenta, “impulsionará a economia local trazendo mais emprego e atividade comercial”.

As Minas de Moncorvo, cuja concessão, de 2016, foi entregue à MTI, Ferro de Moncorvo, SA, “são atraentes para a Aethel Mining não só pela suas perspetivas económicas, mas também pelo seu perfil de sustentabilidade – sendo um depósito de minério de ferro muito significativo no coração da Europa – e pelo seu potencial para revitalizar um ativo histórico da economia local”, descreve a empresa.

A Aethel destaca ainda que o seu projeto para Moncorvo se “diferencia” do de todos os seus pares pelo “pleno uso da sua visão de sustentabilidade e sensibilidade ambiental”.

Em novembro 2016, altura em que foi assinado com a MTI, Ferro de Moncorvo SA, o contrato definitivo relativo a esta concessão, o então ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, realçou “o empenho colocado pelo Governo para agilizar este projeto”, noticiou a Lusa.

A MTI dizia esperar investir 114 milhões de euros até 2026 e produzir cerca de seis milhões de toneladas de minério nos primeiros cinco anos de laboração.

Segundo a MTI, numa primeira etapa considera-se a criação de mais de 200 postos de trabalho diretos, a que acrescerão mais de 250 nas etapas seguintes. Estima-se ainda a criação de 800 postos de trabalho indiretos.

Em abril de 2019, o presidente da Câmara de Torre de Moncorvo, Nuno Gonçalves, afirmou que o processo de exploração de minério de ferro naquele concelho deverá avançar em setembro, encontrando-se então parado “devido à burocracia transfronteiriça”.

“Foi pedido ao governo da Província de Castelo e Leão para se pronunciar acerca da exploração mineira, uma vez que estamos a menos de uma centena de quilómetros da fronteira. Todos os projetos mineiros em áreas de fronteira têm esta reciprocidade governamental”, disse o social-democrata, notando que o município quer ser parceiro das entidades públicas que apoiam o projeto de exploração de minério de ferro da MTI.

ACG (FYP) // MSP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS