DGS alerta para sintomas de miocardite em crianças após vacinação com Pfizer

A Direção-Geral da Saúde recomenda aos profissionais de saúde atenção aos sinais e sintomas de miocardite e pericardite nas crianças nos primeiros 14 dias após terem recebido a nova vacina contra a covid-19 da Pfizer.

DGS alerta para sintomas de miocardite em crianças após vacinação com Pfizer

DGS alerta para sintomas de miocardite em crianças após vacinação com Pfizer

A Direção-Geral da Saúde recomenda aos profissionais de saúde atenção aos sinais e sintomas de miocardite e pericardite nas crianças nos primeiros 14 dias após terem recebido a nova vacina contra a covid-19 da Pfizer.

Na norma “Vacinação contra a covid-19: Vacina Comirnaty Original/Omicron BA.4-5 10µg/dose® — Formulação Pediátrica para 5 a 11 anos de idade”, publicada no ‘site’ da DGS, a autoridade de saúde remenda ainda que, sempre que possível, deve respeitar-se um intervalo de duas semanas em relação à administração de outras vacinas, independentemente da vacina (aplica-se também à vacina contra a gripe).

A DGS recorda na norma que foram observados “casos muito raros” de miocardite e pericardite após a vacinação com a Comirnaty que ocorreram principalmente nos 14 dias após a vacinação, mais frequentemente após a segunda dose e em pessoas mais jovens do sexo masculino. Segundo a autoridade de saúde, o risco de miocardite após uma dose de reforço da nova vacina da Pfizer, desenvolvida para combater especificamente as linhagens BA.4 e BA.5 da variante Ómicron, não foi ainda caracterizado.

Na norma, a DGS apela ainda aos profissionais de saúde para, previamente à vacinação, alertarem as pessoas (incluindo pais ou cuidadores) para a procura de assistência médica imediata caso desenvolvam sintomas sugestivos de miocardite ou de pericardite após a vacinação, como dor no peito aguda e persistente, dispneia ou palpitações. “Os dados disponíveis sugerem que o curso clínico da miocardite e da pericardite após a vacinação não é diferente da miocardite e da pericardite em geral, ou seja, tem normalmente uma evolução benigna, após repouso e/ou tratamento sintomático”, lê-se no documento.

O que fazer?

No caso de ocorrer este problema após a administração de uma dose de Comirnaty Original/Omicron BA.4-5 ® 10µg/dose, a administração da dose seguinte deve ser adiada pelo menos até à resolução completa do quadro clínico e o benefício da sua administração deve ser avaliado caso a caso, pelo médico assistente, refere a DGS. A Direção-Geral da Saúde adianta que ainda não está estudada a interação desta vacina com outras vacinas, sublinhando que, para permitir a valorização de eventuais efeitos adversos, a administração da Comirnaty ao grupo etário dos 5 aos 11 anos “deve, sempre que possível, respeitar um intervalo de duas semanas em relação à administração de outras vacinas”. “Contudo, se tal implicar um risco de não vacinação, a mesma não deve ser adiada”, ressalva.

As reações adversas muito frequentes são ligeiras ou moderadas em intensidade e resolvidas alguns dias após vacinação: dor no local da injeção, fadiga, dor de cabeça, calafrios, dor nas articulações, febre (mais frequente após a 2ª dose, em comparação com a 1ª dose), tumefação e rubor no local da injeção.

Para ler depois
Dor no pescoço pode indicar grave problema de saúde

Acordar com dor no pescoço é normal se adormeceu com postura incorreta. No entanto, se este é um problema recorrente, pode ser sinal de algo bem mais grave. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS