Cruzamento entre Simpsons e Marvel foi “concretização de um sonho” para Al Jean

O produtor executivo e ‘showrunner’ de “Os Simpsons”, Al Jean, disse que o cruzamento entre a série e o personagem da Marvel Loki foi a “concretização de um sonho” de há muito tempo.

Cruzamento entre Simpsons e Marvel foi

Cruzamento entre Simpsons e Marvel foi “concretização de um sonho” para Al Jean

O produtor executivo e ‘showrunner’ de “Os Simpsons”, Al Jean, disse que o cruzamento entre a série e o personagem da Marvel Loki foi a “concretização de um sonho” de há muito tempo.

“Coleciono bandas desenhadas da Marvel desde os 6 anos”, disse Al Jean, numa mesa-redonda em Los Angeles, sobre a estreia da ‘curta’ “O Bom, o Bart e o Loki”, que está disponível a partir de hoje no serviço Disney+. “A ideia de que estas bandas desenhadas que eu lia em miúdo são agora das maiores coisas do mundo é uma loucura para mim”.

A nova curta-metragem animada cruza o universo dos Simpsons com o “Deus da Mentira” Loki, tendo inclusive Tom Hiddleston, o mesmo ator que interpreta o anti-herói no universo cinemático da Marvel, a emprestar-lhe a voz.

“A ideia foi explorar como Loki iria interagir com os Simpsons e cresceu a partir daí”, explicou Al Jean, que é ‘showrunner’ da comédia desde 2001, depois de vários anos a escrever e produzir a série de forma intermitente.

“Achámos que seria engraçado se o Bart tivesse o ‘Deus das Mentiras’ à sua disposição”, disse Al Jean, em resposta à Lusa. “É um miúdo sorrateiro a conseguir o seu máximo desejo”.

A ‘curta’ foi feita em apenas três meses e “é para as pessoas que gostam da Marvel, dos Simpsons ou de ambos”, explicou o produtor. “Isto é tão divertido como qualquer outra coisa que eu tenha feito nos Simpsons”.

Por causa da pandemia de covid-19, a voz de Tom Hiddleston foi gravada a partir de Londres usando a plataforma virtual Zoom. “Ele é um homem inteligente, brilhante e muito engraçado”, elogiou Al Jean. “Não queria terminar as gravações porque foi tão divertido”.

A equipa teve tantas ideias que a curta-metragem inclui três sequências depois dos créditos, muito ao estilo Marvel. A última destas cenas é uma referência ao primeiro episódio de “Loki”, série que o Disney+ estreou a 09 de junho.

“O Bom, o Bart e o Loki” é o segundo trabalho que cruza os Simpsons com uma propriedade da Disney. O primeiro foi “O Despertar da Sesta”, em que Maggie parte numa aventura no universo Guerra das Estrelas. Agora, o objetivo é continuar.

“Achamos que estas curtas são muito importantes, estando a série disponível no Disney+, que tem 100 milhões de assinantes”, frisou Al Jean. “Estas curtas lembram às pessoas que os Simpsons estão no Disney+. Temos tido sucesso, mas gosto muito de fazer estes cruzamentos porque lembra às pessoas que estamos aqui”.

O produtor disse que gostaria de fazer cruzamentos com marcas da Pixar, clássicos da Disney ou até National Geographic.

“Para mim, 32 anos depois, é incrível fazer algo tão entusiasmante que em teoria pode ser visto por 100 milhões de pessoas”, afirmou Al Jean. “Realiza sonhos de criança e ambições que tinha e nunca pensei que podia fazer”.

Sobre a longevidade de “Os Simpsons”, que foi para o ar em 1989 e vai na 32.ª temporada, Al Jean disse que tem que ver com o brilhantismo da equipa e o tema da família.

“Toda a gente trabalha muito, os argumentistas e os animadores matam-se a trabalhar”, disse. “É uma série sobre a família. Em qualquer parte do mundo as famílias têm problemas e nós temos material”.

A série foi renovada por mais duas temporadas, o que Al Jean considerou “incrível”. “Esta série agora é de meia-idade”, descreveu.

“O Bom, o Bart e o Loki” estreia-se hoje no Disney+, ao mesmo tempo que o quinto episódio da minissérie “Loki” com Tom Hiddleston.

ARYG // TDI

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS