Criada cátedra Lídia Jorge na Universidade de Genebra que arranca em setembro

A cátedra Lídia Jorge na Universidade de Genebra, na Suíça, arranca formalmente, com um colóquio, nos dias 15 e 16 de setembro, que contará com a participação da escritora, dedicado ao “poder da imagem na obra de Lídia Jorge”.

Criada cátedra Lídia Jorge na Universidade de Genebra que arranca em setembro

Criada cátedra Lídia Jorge na Universidade de Genebra que arranca em setembro

A cátedra Lídia Jorge na Universidade de Genebra, na Suíça, arranca formalmente, com um colóquio, nos dias 15 e 16 de setembro, que contará com a participação da escritora, dedicado ao “poder da imagem na obra de Lídia Jorge”.

O anúncio foi feito hoje pelo Camões — Instituto da Cooperação e da Língua, que, no âmbito de um protocolo assinado com aquela universidade suíça, instituiu esta cátedra que homenageia “uma das grandes personalidades da literatura contemporânea em língua portuguesa”.

Em comunicado, o instituto Camões assinala que Lídia Jorge é uma escritora com expressão em diferentes géneros literários (de modo particular, no romance), com um amplo reconhecimento internacional e diversos prémios e distinções atribuídos, o último dos quais pela Feira Internacional do Livro de Guadalajara 2020.

A cátedra Lídia Jorge vem dar sequência à parceria que o Camões e a Faculdade de Letras da Universidade de Genebra “desenvolviam desde 2008, e ao trabalho de promoção e divulgação da língua portuguesa e das culturas de expressão portuguesa” que o Centre d’Études Lusophones (CEL) daquela universidade efetua desde 2009.

“Primeiramente centrado nos estudos filológicos, com especial incidência nos estudos camonianos, este centro reorientou posteriormente as suas atividades numa perspetiva interdisciplinar e pós-colonial, alargando o âmbito dos trabalhos às questões de identidade, memória e género, a que a Cátedra Lídia Jorge igualmente se dedicará”, acrescenta o instituo.

A Cátedra Lídia Jorge é a 54.ª da rede que o Camões vem criando em parceria com instituições de ensino superior em 22 países, no âmbito da qual cerca de 500 docentes e investigadores desenvolvem ensino e investigação em torno de temáticas da língua, da cultura, da história e da sociedade, frequentemente numa perspetiva abrangendo não apenas Portugal, mas os países e regiões de língua portuguesa.

Esta será ainda a segunda cátedra daquele organismo na Suíça, onde desde 2012 existe a cátedra Carlos de Oliveira, no Romanisches Seminar da Universidade de Zurique, com a qual a Cátedra Lídia Jorge vai colaborar.

AL // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS