Covid-19: Variante do Reino Unido com incidência de 50% em Portugal

A variante do vírus SARS-CoV-2 detetada no Reino Unido já é responsável por quase metade dos casos de covid-19 em Portugal, quando no início de janeiro representava 8% das infeções.

Covid-19: Variante do Reino Unido com incidência de 50% em Portugal

Covid-19: Variante do Reino Unido com incidência de 50% em Portugal

A variante do vírus SARS-CoV-2 detetada no Reino Unido já é responsável por quase metade dos casos de covid-19 em Portugal, quando no início de janeiro representava 8% das infeções.

A variante detetada no Reino Unido já é responsável por quase metade dos casos de covid-19 em Portugal, quando no início de janeiro representava 8% das infeções, adiantou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA).

“À data de 16 de fevereiro [terça-feira], estimamos que esta variante represente cerca de 48% de todos os casos covid-19 em Portugal”, disse à Agência Lusa João Paulo Gomes, investigador do INSA e coordenador do estudo sobre a diversidade genética do novo coronavírus em Portugal.

Segundo os dados do INSA, a incidência no país desta variante do vírus, considerada mais contagiosa, tem vindo a crescer desde o início do ano, registando-se um aumento constante ao longo de várias semanas, no período em que foi registado o maior número de infeções em Portugal.

João Paulo Gomes estima que a variante originária do Reino Unido representou cerca de 8% dos casos da doença covid-19 na primeira semana do ano, aumentando para os 13,4% na segunda semana de janeiro e para os 24,7% na terceira.

Segundo o especialista, esta crescente incidência da variante “certamente contribuiu” para o surgimento da chamada ‘terceira vaga‘ que se verificou em janeiro com o aumento exponencial de casos de covid-19 em todo o país, apesar de não ter sido o “fator que mais pesou”.

“Na contribuição que teve, pesou não só o elevado número de introduções desta variante que terão ocorrido durante a segunda quinzena de dezembro – regresso de imigrantes portugueses para o Natal e turistas do Reino Unido -, como também a sua elevada transmissibilidade”, explicou o especialista.

Variante da África do Sul identificada em quatro pessoas

Relativamente à variante originária da África do Sul, o INSA apenas identificou quatro casos em Portugal, não tendo sido registado, até quinta-feira, qualquer caso da variante do SARS-CoV-2 descoberta inicialmente em Manaus, no Brasil.

Baltazar Nunes, responsável pela Unidade de Investigação Epidemiológica do INSA, a incidência de covid-19 é elevada em praticamente todos os países europeus, tendo como critério uma prevalência superior a 60 novos casos por 100.000 pessoas nos 14 dias anteriores, com algumas exceções como a Islândia, onde se verificam 10 novos casos de infeção por 100.000 habitantes.

“Existe a possibilidade do aumento da incidência que agora se verifica em alguns países europeus possa vir a verificar-se em outros países, mas o gradiente de Ocidente para Oriente já não existe”, adiantou Baltazar Nunes, exemplificando com os casos da Grécia e da Finlândia que, em latitudes europeias diferentes, coincidem na tendência crescente de casos que apresentam.

“A distribuição espacial dependerá da efetividade que as medidas de controlo implementadas tenham em cada país e da rapidez e do efeito que a vacinação tenha nesses mesmos países”, sublinhou o especialista.

LEIA AGORA
Mutação em proteína do SARS-Cov-2 torna-o até oito vezes mais infeccioso
Mutação em proteína do SARS-Cov-2 torna-o até oito vezes mais infeccioso
Uma mutação na proteína Spike do SARS-Cov-2, existente nas variantes britânica, sul-africana e brasileira, torna o novo coronavírus até oito vezes mais infeccioso em células humanas do que o que surgiu inicialmente na China, revela um estudo científico.(… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS