Covid-19: Rússia regista recorde de 442 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas

A Rússia registou 442 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, novo recorde, informaram hoje as autoridades de saúde, admitindo que a situação nas províncias começa a causar preocupação.

Covid-19: Rússia regista recorde de 442 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas

Covid-19: Rússia regista recorde de 442 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas

A Rússia registou 442 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, novo recorde, informaram hoje as autoridades de saúde, admitindo que a situação nas províncias começa a causar preocupação.

O número total de mortes por covid-19 subiu para 33.931 no país, segundo gabinete de crise para a gestão da pandemia na Rússia.

Nas últimas 24 horas foram contabilizados 22.410 novos casos de covid-19, 5.882 deles em Moscovo, principal foco dessa infeção no país.

Do total de casos detetados no último dia no país, 5.556 (24,8%) são assintomáticos, segundo as autoridades de saúde.

De acordo com o gabinete de crise para a gestão da pandemia na Rússia, durante o último dia 22.055 pacientes receberam alta, mais do que em qualquer outro dia desde o início da pandemia.

A letalidade da doença na Rússia é muito mais baixa do que em outras partes do mundo, já que as autoridades russas apenas listam os casos em que a autópsia identifica o novo coronavírus como causa principal da morte.

Os dados demográficos para o período de março a setembro de 2020 mostram um excesso de mortalidade de 117.107 óbitos em relação ao mesmo período de 2019 no país.

A Rússia, com 1.971.013 casos, é o quinto país do mundo em infeções confirmadas de covid-19, depois dos Estados Unidos, Índia, Brasil e França.

Na segunda-feira, o ministro da Saúde, Mikhail Murashko, disse que 84% das camas hospitalares dedicados ao novo coronavírus estavam ocupados.

Se a capital russa continua a ser o epicentro do novo coronavírus no país, a situação é cada vez mais preocupante nas províncias, que hoje concentram três quartos dos novos pacientes, mas têm o sistema de saúde muitas vezes dilapidado e hospitais mal equipados.

Na região de Ivanovo, a nordeste de Moscovo, o ministro Regional da Saúde, Artour Fokine, admitiu que as morgues estavam sobrecarregadas.

Segundo o jornal independente Novaïa Gazeta, as farmácias de várias regiões também carecem de medicamentos prescritos para combater os sintomas da covid-19 ou da gripe.

Os vídeos que circulam nas redes sociais também estão a crescer, mostrando hospitais onde os pacientes devem ser atendidos nos corredores.

A Rússia, Moscovo em particular, impôs medidas restritivas muito rígidas para conter a epidemia na primavera. Neste outono, as autoridades deixaram às regiões a escolha das medidas e apenas a Buriácia (Sibéria) ordenou o confinamento de 16 a 30 de novembro.

Na segunda-feira, o primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, culpou as comunidades regionais por terem demorado a reagir.

“Na maioria das áreas onde a situação é tensa, o motivo está na decisão tardia de impor medidas. Põe em risco a vida das pessoas, coloca o sistema de saúde sob pressão”, disse Mishustin.

Por enquanto, Moscovo descarta a imposição de um confinamento para os seus habitantes como o que foi decretado na primavera, mas anunciou uma série de restrições que vigorarão pelo menos até 15 de janeiro.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.319.561 mortos resultantes de mais de 54,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.472 pessoas dos 225.672 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

CSR // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS