Covid-19: Primeira feira profissional de música e cultura ibérica cancelada na Galiza

A primeira feira profissional de música e cultura ibéricas, que decorria entre hoje e sábado na Galiza, Espanha, foi cancelada devido ao Covid-19, adiantou à Lusa a organização, que irá realizar o evento numa nova data.

Covid-19: Primeira feira profissional de música e cultura ibérica cancelada na Galiza

Covid-19: Primeira feira profissional de música e cultura ibérica cancelada na Galiza

A primeira feira profissional de música e cultura ibéricas, que decorria entre hoje e sábado na Galiza, Espanha, foi cancelada devido ao Covid-19, adiantou à Lusa a organização, que irá realizar o evento numa nova data.

“Tivemos de acatar o bom senso e seguir a norma do governo autónomo da Galiza que limita eventos à porta fechada até 50 pessoas, cancelando assim toda a programação”, explicou o representante português da organização do MUMI, José Costa.

O evento, que se estava a realizar entre hoje e sábado em Verín, na Galiza, Espanha, localidade que faz fronteira com a cidade de Chaves, no distrito de Vila Real, ainda teve o “ato formal de apresentação e o primeiro ‘show case’ [exibição musical]”, acrescentou.

Na página oficial na Internet do MUMI foi explicado, em comunicado, que a decisão foi em consenso com “as instituições que apoiam o encontro”.

José Costa adiantou ainda que em breve será lançado um comunicado por parte da organização com uma nova data para a realização do evento.

O MUMI apresentou-se como “o primeiro mercado profissional de música e cultura organizado pelos dois territórios ibéricos” e, além de atividades exclusivas para profissionais, tinha programados concertos gratuitos abertos ao público.

Para os profissionais, os três dias de evento contavam com momentos de conversa, sobre festivais, formas de apoio à cultura, financiamento público ou salas portuguesas e galegas de concerto e ainda encontros rápidos entre profissionais do setor e ‘show cases’.

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.600 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia.

O número de infetados ultrapassou as 125 mil pessoas, com casos registados em cerca de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 78 casos confirmados.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) atualizou hoje o número de infetados, que registou o maior aumento num dia (19), ao passar de 59 para 78, dos quais 69 estão internados.

A região Norte continua a registar o maior número de casos confirmados (36), seguida da Grande Lisboa (17) e das regiões Centro e do Algarve (três cada).

O boletim divulgado hoje assinala também que há 133 casos a aguardar resultado laboratorial e 4.923 contactos em vigilância, mais 1.857 do que na quarta-feira.

No total, desde o início da epidemia, a DGS registou 637 casos suspeitos.

DYMC // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS