Covid-19: Pequim reduz nível de emergência

Pequim vai reduzir o nível de emergência na resposta ao novo coronavírus, a partir de sábado, informaram hoje as autoridades locais.

Covid-19: Pequim reduz nível de emergência

Covid-19: Pequim reduz nível de emergência

Pequim vai reduzir o nível de emergência na resposta ao novo coronavírus, a partir de sábado, informaram hoje as autoridades locais.

A capital chinesa vai passar do segundo para o terceiro nível, numa escala em que quatro é o nível de alerta máximo, o que significa que os residentes de províncias anteriormente afetadas pelo coronavírus, como Hubei, onde o surto começou, e que há várias semanas não registam novos casos, podem voltar a Pequim sem cumprirem medidas de quarentena.

No entanto, será mantida uma “gestão rigorosa” sobre pessoas oriundas do exterior e de áreas de risco médio e alto – todas na região nordeste do país -, que devem ser testadas na chegada e cumprir um período de isolamento de 14 dias.

Os bairros de Pequim vão também deixar de realizar medições de temperatura à entrada e os parques vão abrir com um limite de até 50% da sua capacidade.

A nova diretiva recomenda que os cidadãos usem máscara, mas não por obrigação, exceto nos transportes públicos e outros espaços fechados.

“Desde maio, a situação epidémica em Pequim está a melhorar, e as escolas reabriram em junho. Estamos perante uma tendência positiva, mas isso não significa que as medidas de prevenção sejam simplesmente relaxadas”, disse Xu Hejian, porta-voz do governo municipal de Pequim.

Em janeiro passado, a capital chinesa ativou o nível mais alto de emergência, para conter o surto, e passou para o segundo nível em 30 de abril, depois de terem passado 13 dias sem novos casos.

De acordo com os dados oficiais, desde o início da pandemia, a China registou 83.027 infetados e 4.634 mortos devido à covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Até ao momento, 78.327 pessoas tiveram alta.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 387 mil mortos e infetou mais de 6,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

JPI // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS