Covid-19: Passageiras cabo-verdianas acusam delegacia de saúde de recusar testes em 72 horas

Duas passageiras acusaram a delegacia de Saúde da Praia de recusar fazer o teste para viagem internacional nas 72 horas estabelecidas, mas a instituição cabo-verdiana esclareceu que houve uma “falha de comunicação” e o diagnóstico foi feito.

Covid-19: Passageiras cabo-verdianas acusam delegacia de saúde de recusar testes em 72 horas

Covid-19: Passageiras cabo-verdianas acusam delegacia de saúde de recusar testes em 72 horas

Duas passageiras acusaram a delegacia de Saúde da Praia de recusar fazer o teste para viagem internacional nas 72 horas estabelecidas, mas a instituição cabo-verdiana esclareceu que houve uma “falha de comunicação” e o diagnóstico foi feito.

Melissa Semedo e Maria Gomes Semedo dirigiram-se na terça-feira de manhã ao gimnodesportivo, na cidade da Praia, o principal ponto de recolha das amostras, para fazerem o teste à covid-19, com viagem marcada para Portugal às 01:50 de sexta-feira.

Mas para espanto das duas passageiras, foram informadas pelos técnicos no gimnodesportivo que deveriam fazer o teste na segunda-feira, portanto, além das 72 horas exigidas.

Melissa Semedo contou à Lusa que antes de se dirigir ao gimnodesportivo, primeiro foi à Delegacia de Saúde, no Plateau, para se informar sobre os dias e horários para os testes, onde foi informada posteriormente por telefone que, no seu caso, seria na terça-feira.

“E hoje chego aqui e dizem-me que não conseguem fazer o meu teste”, protestou a estudante, adiantando que foi informada que o teste poderia ser feito, mas que deveria assinar um termo de responsabilidade, caso o resultado não saísse a tempo da viagem.

“Não tenho que me responsabilizar porque foram eles que me enviaram para aqui”, afirmou Melissa Semedo, sublinhando que o teste realizado na segunda-feira não teria validade e correria o risco de ser “barrada” à entrada de Portugal.

A mesma situação enfrentou Maria Gomes Semedo, com viagem marcada para a mesma hora, para realizar consultas médicas em Portugal, marcadas para o dia 14.

“Se o teste tem que ser com antecedência de 72 horas, é hoje [terça-feira] que tenho que fazer para chegar sexta-feira em Portugal”, protestou à Lusa esta passageira, que também foi alertada que tinha de realizar o diagnóstico na segunda-feira.

Depois de muita insistência, as duas passageiras conseguiram realizar o teste na terça-feira, com Melissa Semedo a dizer que ficou a “incerteza” quando à entrega do resultado, que espera obter na quinta-feira, ainda antes da viagem.

Abordada hoje pela agência Lusa sobre o assunto, a delegada de saúde da Praia, Ullardina Furtado, afirmou que terá havido alguma “falta de comunicação”, porque quem viaja na sexta-feira deve fazer a colheita da amostra na terça-feira das 08:00 às 10:00.

“Se não foi feito, houve algum erro de comunicação, porque a pessoa estava dentro do tempo de fazer a colheita”, explicou a delegada, indicando que duas pessoas foram pedir esclarecimentos à delegacia, mas com viagem marcada para quinta-feira.

Neste momento, a responsável de saúde disse que há muita procura para a realização dos testes para viagens, o que tem provocado muito stresse para todos, principalmente para os viajantes.

“Com o aumento de voos, tem aumentado a demanda da delegacia e dos laboratórios, o que exige que haja uma organização, para que haja uma resposta atempada dos resultados”, salientou.

A médica afirmou que a delegacia não nega fazer colheita de amostras aos viajantes, mas se constatar que não vai haver um resultado a tempo, recomenda à pessoa para fazer o teste num determinado dia, para ter o seu resultado em tempo útil para viagem.

“É uma recomendação que fazemos porque sabemos a capacidade que temos. Não vale a pena uma pessoa fazer o teste e saber que não vai ter a reposta a tempo”, alertou a delegada.

Para viagens, as amostras são recolhidas nos centros de saúde e no gimnodesportivo Vavá Duarte, com dias e horários definidos, são enviadas para os laboratórios de virologia do Instituto Nacional de Saúde Pública (INSP), que dá a resposta para ser entregue ao passageiro.

Na terça-feira, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, anunciou que brevemente estará disponível uma plataforma digital para que as pessoas tenham o resultado dos seus testes de forma rápida e imediata através do seu telemóvel.

A delegada de saúde da Praia disse à Lusa que um aplicativo desses iria “facilitar muito” o trabalho dos técnicos de saúde, bem como evitar o stresse e as várias deslocações do passageiro.

Cabo Verde regista um acumulado de 6.518 casos de covid-19 diagnosticados desde 19 de março, com 69 óbitos associados à doença no mesmo período.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e cinquenta e um mil mortos e mais de 35,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

RIPE // LFS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS