Covid-19: Organização moçambicana diz que Governo “falhou” na resposta à pandemia

O Fórum de Monitoria do Orçamento, coligação da sociedade civil moçambicana, defendeu que o Governo “falhou” na resposta à pandemia de covid-19, considerando que os mais pobres não foram apoiados.

Covid-19: Organização moçambicana diz que Governo

Covid-19: Organização moçambicana diz que Governo “falhou” na resposta à pandemia

O Fórum de Monitoria do Orçamento, coligação da sociedade civil moçambicana, defendeu que o Governo “falhou” na resposta à pandemia de covid-19, considerando que os mais pobres não foram apoiados.

“O Governo falhou na resposta à pandemia. Os números da covid-19, desde o dia em que começou a intervenção até hoje, estão a disparar e isso está relacionado com a forma como o Governo respondeu, sobretudo a falta de medidas concretas para colocar as famílias realmente em casa”, declarou Adriano Nuvunga, coordenador do FMO, à margem da conferência “Resposta à Covid-19 com Contas Certas”.

Para Nuvunga, o Governo moçambicano devia ter apoiado as famílias vulneráveis para garantir que realmente ficavam em casa, considerando que as pessoas foram à rua para garantir sustento, o que fez com que os números disparassem.

“O Governo disse às pessoas para ficarem em casa , mas não foi ao encontro delas para dar a bolsa família. Nas grandes cidades, as pessoas tiveram necessidade de sair das suas casas à procura de qualquer coisa para o seu ganha pão”, declarou.

Por outro lado, o ativista moçambicano insistiu que faltou transparência na gestão dos fundos que o país recebeu de parceiros para fazer face à doença, avançando que a sociedade civil vai deslocar-se ao terreno para avaliar o que foi feito pelo Governo a partir do apoio recebido.

“Se compararmos o envelope financeiro que o Governo teve de parceiros e os resultados no terreno, que são os números da covid-19, claramente o Governo falhou. O dinheiro era para prevenir a propagação da covid-19 e quando o Governo recebeu o dinheiro não havia contaminação comunitária, mas hoje há”, alertou.

O coordenador do FMO voltou a criticar o facto de o Governo ter celebrado contratos por ajuste direto no valor de 3,32 mil milhões de meticais (cerca de 40 milhões de euros).

” Muitas destas empresas [escolhidas no processo] têm ligações com pessoas que estão a governar”, afirmou Adriano Nuvunga.

Em 23 de março, o Governo moçambicano pediu aos parceiros, em Maputo, um total de 700 milhões de dólares ( 595 milhões de euros) para cobrir o buraco fiscal provocado pela pandemia no Orçamento do Estado (OE) de 2020, bem como para financiar o combate à doença e dar apoios aos mais pobres.

Do valor pedido, segundo dados oficiais, pelo menos 458 milhões de dólares (cerca de 389 milhões de euros) já foram disponibilizados, dos quais cerca de 70% foram desembolsados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Moçambique regista um total acumulado de 9.639 casos de covid-19, 68 óbitos e 6.911 (71 %) pessoas recuperadas, segundo as últimas atualizações do Ministério da Saúde.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e cinquenta e sete mil mortos e mais de 36,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

EYAC // LFS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS