Covid-19: Museu do Fado contratou 160 profissionais, anuncia Câmara de Lisboa

A Câmara de Lisboa anunciou hoje que, no âmbito da programação do Museu do Fado, concebida no contexto de apoio ao setor, “foram contratados mais de 160 profissionais”.

Covid-19: Museu do Fado contratou 160 profissionais, anuncia Câmara de Lisboa

Covid-19: Museu do Fado contratou 160 profissionais, anuncia Câmara de Lisboa

A Câmara de Lisboa anunciou hoje que, no âmbito da programação do Museu do Fado, concebida no contexto de apoio ao setor, “foram contratados mais de 160 profissionais”.

A informação foi divulgada num comunicado sobre os apoios da autarquia a artistas, no âmbito da pandemia de covid-19, em que a Câmara afirma que estes se inserem “num quadro de solidariedade e coesão”, sublinhando “a riqueza e a dinâmica que têm pautado a vida cultural de Lisboa”, de que o fado faz parte.

A autarquia explica que “foi concebida uma programação no valor de 200 mil euros”, para este setor, no âmbito da atividade do Museu.

Esta programação inclui o documentário televisivo “Fique Em Casa de Fados”, coproduzido com a RTP, já transmitido no passado dia 2.

Está também previsto uma série de conversas intitulada “Fados da Casa”, com os elencos artísticos das casas de fado, gravada no Museu do Fado, para transmissão nas redes sociais e canais Youtube e Vimeo” da Câmara, da empresa municipal de Gestão e Animação Cultural (EGEAC) e do Museu do Fado.

Adianta a autarquia que estão “em fase de produção/edição 117 filmes gravados no Museu do Fado com os elencos artísticos residentes” das “casas de fado históricas e emblemáticas da cidade”, cuja divulgação nas redes sociais teve início na passada quinta-feira.

Esta programação inclui ainda a coprodução do programa “Fado no Átrio”, com a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, que “assegura a contratação de 40 artistas”.

Segundo a mesma fonte, foi esta programação do museu que levou à contratação de 160 profissionais do setor.

No comunicado de hoje, a Câmara de Lisboa recorda que “em conjunto com a Associação de Turismo de Lisboa, está a analisar a possibilidade de criar um programa específico para relançar a médio prazo o setor do Fado”.

No passado dia 17 de abril, o Departamento de Marca e Comunicação da Câmara de Lisboa já anunciara que “o apoio imediato da CML às casas de fado, e seus artistas, ascende a 200 mil euros, valor que se junta aos 1,25 milhões de euros para apoiar os agentes culturais, e para garantir a subsistência de trabalhadores independentes e entidades culturais e criativa”.

A autarquia esclarece que a este apoio de 1,25 milhões de euros, do Fundo de Emergência Social da Câmara, podem ser apresentadas candidaturas na Loja Lisboa, ou em http://www.cm-lisboa.pt/polo-cultural-gaivotas-boavista/loja-lisboa-cultura, desde o passado dia 20.

“Os programas de candidaturas são para todos os artistas profissionais independentes, incluindo os do fado”, sublinhou fonte da Câmara.

No início de abril, casas de fado e fadistas manifestaram à agência Lusa várias dificuldades que o setor enfrenta, no contexto das medidas restritas impostas pelo combate à pandemia de Covid-19.

A precariedade laboral dos intérpretes do fado, cantores e instrumentistas, que marca a sua relação com as casas de fado, e a dependência do turismo desta expressão têm exposto a fragilidade do setor, segundo empresários e artistas.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 267 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas, em 195 países e territórios.

Cerca de 1,2 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.105 pessoas das 26.715 confirmadas como infetadas, e há 2.258 casos recuperados, de acordo com os dados divulgados na quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde.

A Comissão Europeia estima que a economia da zona euro conheça este ano uma contração recorde de 7,7% do PIB, como resultado da pandemia da covid-19, recuperando apenas parcialmente em 2021, com um crescimento de 6,3%.

Para Portugal, Bruxelas estima uma contração da economia de 6,8%, menos grave do que a média europeia, mas projeta uma retoma em 2021 de 5,8% do PIB, abaixo da média da UE (6,1%) e da zona euro (6,3%).

NL // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS