Covid-19: Lula defende vacina e pede que Brasil não siga “decisão imbecil” de Bolsonaro

O ex-presidente do Brasil Lula da Silva defendeu hoje as vacinas contra a covid-19 e lançou duras críticas à gestão do atual mandatário, apelando a que os brasileiros não sigam “nenhuma decisão imbecil” de Jair Bolsonaro.

Covid-19: Lula defende vacina e pede que Brasil não siga

Covid-19: Lula defende vacina e pede que Brasil não siga “decisão imbecil” de Bolsonaro

O ex-presidente do Brasil Lula da Silva defendeu hoje as vacinas contra a covid-19 e lançou duras críticas à gestão do atual mandatário, apelando a que os brasileiros não sigam “nenhuma decisão imbecil” de Jair Bolsonaro.

“Vou tomar a minha vacina, não importa de que país. E quero fazer propaganda para o povo brasileiro. Não siga nenhuma decisão imbecil do Presidente da República [Jair Bolsonaro] ou do ministro da Saúde [Eduardo Pazuello]”, criticou Lula da Silva, em São Paulo, na sua primeira declaração pública após as condenações no Paraná terem sido anuladas.

“Tome vacina, porque a vacina é uma das coisas que pode livrar você da covid-19. Mas mesmo tomando vacina, não ache que você já [pode] tirar a camisa, já [pode] ir para o’boteco’ [bar] pedir uma cerveja gelada, ficar conversando. Não! Você precisa de continuar a fazer isolamento, continuar a utilizar máscara, álcool em gel. Pelo amor de Deus. Esse vírus, essa noite, matou quase 2.000 pessoas. As mortes estão sendo naturalizadas”, disse, em tom exaltado, o ex-mandatário.

Luiz Inácio Lula da Silva lamentou as mais de 268 mil mortes devido à covid-19 no Brasil e criticou duramente a conduta e retórica de Bolsonaro ao longo da pandemia.

O antigo chefe de Estado prestou ainda “solidariedade” aos governadores que, segundo o político, estão a “lutar para dar vacina”, apesar da “incompetência” do Governo e do Ministério da Saúde.

“Muitas mortes podiam ter sido evitadas se o Governo fizesse o elementar. A arte de governar não é fácil, mas é a arte de saber tomar decisões. A primeira coisa que o Presidente deveria ter feito era, em março, ter criado um comité de crise com especialistas”, disse Lula, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo, São Paulo.

“Ele [Bolsonaro] não sabe o que é ser Presidente. A vida inteira não foi nada. Ele não foi nem capitão. Só se aposentou porque queria explodir quartel. Depois de se aposentar, nunca mais fez nada na vida. Ele foi vereador e deputado durante 32 anos e conseguiu passar para a sociedade de que ele não era político. Conseguem ver o poder do fanatismo através das ‘fake news’? Elas elegeram um Trump, elas elegeram Bolsonaro”, frisou Lula.

O Brasil, com 212 milhões de habitantes e que vacinou cerca de 4% da sua população, concentra 268.370 mortes e 11.122.429 casos de infeção, sendo um dos três países mais afetados pelo novo coronavírus em todo o mundo.

Lula da Silva falou hoje à imprensa, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo, São Paulo, na presença de figuras políticas como Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) que perdeu a eleição presidencial para Jair Bolsonaro, em 2018, e Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

O juiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro, anulou na segunda-feira todas as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela Justiça Federal no Paraná, relacionadas com as investigações da operação anticorrupção Lava Jato.

A anulação foi decretada na sequência da decisão de Fachin, de declarar a incompetência da Justiça Federal do Paraná nos processos sobre a posse de um apartamento de luxo no Guarujá e de uma quinta em Atibaia, ambos em São Paulo, que haviam levado a duas condenações do ex-chefe de Estado brasileiro, em decisões das primeira e segunda instâncias.

Isto não quer dizer que o antigo chefe de Estado brasileiro tenha sido inocentado já que os processos serão remetidos para a justiça do Distrito Federal, que vai reavaliar os casos e pode receber novamente as denúncias e reiniciar os processos anulados.

Com a decisão, porém, Lula da Silva voltou a ser elegível e recuperou seus direitos políticos.

Lula, de 75 anos e que governou o Brasil entre 2003 e 2010, chegou a cumprir 580 dias de prisão, entre abril de 2018 e novembro de 2019 e, desde então, o ex-presidente recorria da sua sentença em liberdade condicional.

 

Impala Instagram


RELACIONADOS