Covid-19: Líder do FMI afirma que crise vai aumentar desigualdades entre países

A crise económica provocada pela pandemia está a deixar para trás muitas economias e agrava a situação dos mais pobres, afirmou hoje a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), apontando o acesso “desigual” às vacinas.

Covid-19: Líder do FMI afirma que crise vai aumentar desigualdades entre países

Covid-19: Líder do FMI afirma que crise vai aumentar desigualdades entre países

A crise económica provocada pela pandemia está a deixar para trás muitas economias e agrava a situação dos mais pobres, afirmou hoje a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), apontando o acesso “desigual” às vacinas.

A crise económica provocada pela pandemia está a deixar para trás muitas economias e agrava a situação dos mais pobres, afirmou hoje a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), apontando o acesso “desigual” às vacinas.

“Estimamos que, no final de 2022, o rendimento acumulado ‘per capita’ será 13% menor do que indicavam as projeções feitas antes da crise nas economias avançadas, em comparação com 18% para os países de baixos rendimentos e 22% para os países emergentes e em desenvolvimento, excluindo a China”, sublinhou Kristalina Georgieva numa nota publicada no blogue do FMI por ocasião de uma reunião virtual de ministros das Finanças e líderes de bancos centrais do G20.

A consequência direta será um aumento “de milhões” no número de pessoas extremamente pobres nos países em desenvolvimento, disse.

A dirigente do FMI lembrou que antes da crise, o FMI previa uma redução na divergência de rendimentos entre as economias mais avançadas e 110 países emergentes e em desenvolvimento entre 2020 e 2022.

“Prevemos agora que apenas 52 economias irão recuperar durante este período, enquanto 58 devem ficar para trás”, acrescentou.

Isso deve-se “em parte ao acesso desigual às vacinas” porque, mesmo nas melhores circunstâncias, a maioria das economias em desenvolvimento só devem ter cobertura generalizada de vacinas até ao fim de 2022 ou mesmo depois”, escreveu Georgieva.

Alguns países estão particularmente expostos, como os que dependem do turismo e das exportações de petróleo, mais afetados pela crise. “A maioria destes países tem limites devido a uma margem de manobra reduzida nos seus orçamentos”, segundo Kristalina Georgieva.

A líder do FMI não se manifestou apenas preocupada com o desvio entre países. “Constatamos também uma divergência acelerada dentro dos países: jovens, trabalhadores pouco qualificados, mulheres e trabalhadores informais foram afetados de forma desproporcional pela perda de empregos”, apontou.

Georgieva lembrou ainda que milhões de crianças estão confrontadas com perturbações na educação.

“Seria um erro imperdoável tornarem-se uma geração perdida”, considerou.

Neste contexto, Georgieva defendeu que devem continuar os esforços para pôr fim à crise sanitária, acelerando a vacinação, o que pode permitir aumentar em 9 biliões de dólares o rendimento mundial entre 2020 e 2025.

Exortou também os países do G20 a manterem o apoio orçamental e a apoiarem os países mais vulneráveis, por exemplo, com alívios de dívida.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS