Jorge Jesus podia já ter infeção respiratória quando foi contagiado com covid-19

O virologista Pedro Simas considerou hoje possível que o treinador Jorge Jesus já tivesse uma infeção respiratória provocada por um vírus ou uma bactéria, habitual nesta época, quando foi infetado pelo novo coronavírus, para o qual testou positivo na quinta-feira.

Jorge Jesus podia já ter infeção respiratória quando foi contagiado com covid-19

Jorge Jesus podia já ter infeção respiratória quando foi contagiado com covid-19

O virologista Pedro Simas considerou hoje possível que o treinador Jorge Jesus já tivesse uma infeção respiratória provocada por um vírus ou uma bactéria, habitual nesta época, quando foi infetado pelo novo coronavírus, para o qual testou positivo na quinta-feira.

O virologista Pedro Simas considerou hoje possível que o treinador Jorge Jesus já tivesse uma infeção respiratória provocada por um vírus ou uma bactéria, habitual nesta época, quando foi infetado pelo novo coronavírus, para o qual testou positivo na quinta-feira.

“É possível que tenha sido uma coincidência, que já tivesse uma constipação provocada por um vírus ou bactéria, e contraído uma infeção respiratória. O mais provável é que tenha sido infetado com o SARS-CoV-2, depois disso”, disse Pedro Simas à agência Lusa, acrescentando: “É muito natural que isso possa acontecer a muita gente”.

O virologista lembrou que atendendo à época do ano “se vive a fase crítica das infeções respiratórias”, alertando para o facto de “o potencial pandémico do SARS-CoV-2 lhe permitir começar a ser contagioso antes dos sinais clínicos, que em muitas pessoas nem chegam a aparecer”.

Pedro Simas admitiu também a hipótese, “menos provável”, de o resultado positivo do treinador, anunciado na quinta-feira pelo Benfica, ser “um falso positivo”.

“Só há cerca de 1% de probabilidade de ser um falso positivo, mas ela existe. Para haver certezas, o teste deve ser repetido passados um ou dois dias”, afirmou.

O virologista voltou a lembrar que “as máscaras não oferecem 100% de proteção, pelo que, mesmo com máscara, a probabilidade de infeção é grande se não forem cumpridas outras regras”.

“As máscaras ajudam muito, mas não podemos nunca esquecer a regra dos ‘três cês’: evitar contactos próximos, espaços fechados e espaços com muita gente (close contacts, close spaces, crowded spaces)”, referiu.

Na quinta-feira, o Benfica informou que Jorge Jesus está infetado pelo novo coronavírus, esclarecendo que o técnico da equipa principal de futebol “apresenta um quadro clínico de infeção respiratória”.

De acordo com o comunicado, Jorge Jesus, de 66 anos, teve sete testes negativos à infeção pelo novo coronavírus nas últimas duas semanas, mas “exames complementares de diagnóstico efetuados durante o dia de ontem (quinta-feira) no Hospital da Luz indiciaram um comportamento típico de infeção originado pelo novo coronavírus”.

O clube reconheceu tratar-se de “um caso atípico, de índole rara”, ressalvando que “há, contudo, evidência de situações similares em que, apesar de sucessivos testes negativos, o vírus é detetável somente ao fim de alguns dias, com o evoluir da infeção respiratória e o agravamento dos sintomas”.

O Benfica tem registado recentemente um elevado número de casos de infeção pelo novo coronavírus no plantel profissional, que afastou 10 jogadores da receção ao Nacional, na segunda-feira, para a 15.ª jornada da I Liga.

Desde o início da temporada, o Benfica já teve 21 jogadores infetados.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS