Covid-19: Guiné-Bissau vai receber mais 265.000 doses de vacinas

O Alto-Comissariado para a Covid-19 da Guiné-Bissau anunciou hoje que vai receber mais 265.000 doses de vacinas contra o novo coronavírus, o que vai permitir dinamizar toda a atividade de vacinação no país.

Covid-19: Guiné-Bissau vai receber mais 265.000 doses de vacinas

Covid-19: Guiné-Bissau vai receber mais 265.000 doses de vacinas

O Alto-Comissariado para a Covid-19 da Guiné-Bissau anunciou hoje que vai receber mais 265.000 doses de vacinas contra o novo coronavírus, o que vai permitir dinamizar toda a atividade de vacinação no país.

“A partir da Covax devemos receber 165.000 doses da Johnson & Johnson e o Governo da China confirmou a doação de 100.000 doses da Sinopharm”, disse o secretário do Alto-Comissariado para a Covid-19, Plácido Cardoso.

O médico guineense, que falava aos jornalistas na conferência de imprensa semanal sobre a evolução da doença no país, precisou que as 165.000 doses da Johnson & Johnson foram doadas pelos Estados Unidos no âmbito da iniciativa Covax.

“Esperemos que esta disponibilidade possa dinamizar ainda mais toda a atividade de vacinação”, afirmou, salientando que o Governo também está a preparar a aquisição de vacinas.

Questionado pelos jornalistas sobre se já há data prevista para a chegada daquelas doses ao país, Plácido Cardoso disse que há indicação de que as 165.000 doses da Johnson & Johnson devem chegar até ao final do mês de julho.

“As da China devemos saber nos próximos dias a data precisa de entrega”, disse.

A Guiné-Bissau registou na última semana um aumento do número de casos de covid-19 e de vítimas mortais devido à doença.

Segundo os dados hoje divulgados pelo Alto-Comissariado, na semana entre 12 e 18 julho foram registados mais 105 casos de covid-19 para um total acumulado de 4.052 e registadas mais três vítimas mortais para um total acumulado de 73.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.093.263 mortos em todo o mundo, entre mais de 190,3 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

MSE // VM

Lusa/Fim

 

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS